Meteorologia

  • 07 AGOSTO 2020
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 33º

Edição

Maduro acusa EUA de reforçar sanções contra a Venezuela durante pandemia

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro acusou hoje os Estados Unidos de ter "recrudescido as sanções criminosas" e o bloqueio contra a Venezuela durante a pandemia da covid-19, mas que o país tem resistido com sucesso às agressões.

Maduro acusa EUA de reforçar sanções contra a Venezuela durante pandemia
Notícias ao Minuto

06:30 - 06/07/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"Quando a Venezuela enfrentava a pandemia, nos meses de março, abril e maio e pensávamos que os atores do império norte-americano iriam decretar uma pausa, um cessar das agressões, foi o contrário: aumentaram as sanções criminais, a perseguição contra os alimentos, os medicamentos e a gasolina que a Venezuela procura e compra ao mundo", disse Nicolás Maduro durante uma comemoração do 209.º aniversário da Assinatura da Ata da Independência da Venezuela (5 de julho de 1811) e o Dia das Forças Armadas Bolivarianas (FANB).

"Recrudesceram as sanções criminosas, mas temos sabido avançar. Passou o primeiro semestre de 2020, tomámos todas as decisões corretas a tempo (...) O povo sabe que pode confiar no seu governo e nas autoridades civis e militares nesta batalha contra o coronavírus", disse.

Nicolás Maduro acusou a oposição venezuelana de estar alinhada com os Estados Unidos e apelou para que os venezuelanos quebrem as cadeias de transmissão do coronavírus que disse estar a alastrar pelo país através das fronteiras com os países vizinhos (Colômbia e Brasil).

"Estamos enfrentando um surto da covid-19 no país, que, se comparado a outros países como o Brasil, Colômbia ou os Estados Unidos, os números continuam a ser reduzidos, mas devemos controlar esse surto e manter as comunidades saudáveis", frisou.

Segundo Nicolás Maduro as autoridades venezuelanas estimam que 30 mil pessoas teriam entrado no país por veredas e caminhos não oficiais ou controlados, dos quais pelo menos 3.000 estariam contagiados com coronavírus.

"Temos implementando planos de segurança e prevenção. Neste momento, existem 14 mil brigadas médicas fazendo visitas casa a casa, atendendo os casos, mantendo o povo informado e insistindo em medidas de prevenção", explicou.

Na Venezuela estão oficialmente confirmados 7.169 casos de pessoas infetadas e 64 mortes associadas ao novo coronavírus. Estão ainda dados como recuperados 2.100 pacientes.

A Venezuela está desde 13 de março em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar "decisões drásticas" para combater a pandemia.

Os voos nacionais e internacionais estão restringidos no país.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 531 mil mortos e infetou mais de 11,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório