Meteorologia

  • 04 AGOSTO 2020
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 31º

Edição

Autarca de Barcelona pede referendo para instaurar República

A autarca de Barcelona, Ada Colau, acusou hoje a monarquia espanhola de ser "corrupta" e pediu um referendo para instaurar a República em Espanha, na sequência de uma notícia publicada hoje pelo jornal El Pais sobre Juan Carlos I.

Autarca de Barcelona pede referendo para instaurar República
Notícias ao Minuto

23:30 - 05/07/20 por Lusa

Mundo Ada Colau

Em reação à notícia titulada "Corinna Larsen declarou que Juan Carlos I lhe deu 65 milhões 'por gratidão' e não para esconder o dinheiro", Ada Colau, numa mensagem divulgada nas redes sociais, e citada pela agência EFE, afirma que "o título engana" porque, a seu ver, "na realidade é igual ter sido 'por gratidão' ou para esconder dinheiro".

"É um escândalo em todas as explicações possíveis. Temos uma monarquia corrupta que não merece continuar a acumular privilégios e impunidade", escreveu a autarca de Barcelona, que termina a mensagem com a 'hashtag' "#ReferendoRepublicaJá".

Segundo o El Pais, Corinna Larsen, ex-amante de Juan Carlos I, declarou, perante a justiça suíça, que os 65 milhões de euros que o rei emérito transferiu para uma conta sua, segundo ela, como "presente" e "gratidão", foram uma doação ao monarca do falecido rei Abdalá da Arábia Saudita.

As declarações de Corinna Larsen, refere o jornal, foram feitas em 19 de dezembro de 2018, perante o procurador Yves Bertossa.

Em junho, o Supremo Tribunal espanhol decidiu investigar as suspeitas de delito de corrupção do rei emérito, Juan Carlos, na construção do comboio de alta velocidade entre Medina e Meca, na Arábia Saudita.

De acordo com o Ministério Público, a investigação, que passa para o Supremo Tribunal, irá concentrar-se em "delimitar ou descartar" a relevância criminal dos acontecimentos ocorridos desde junho de 2014, quando Juan Carlos deixou de ser Chefe de Estado e, com isso, perdeu a imunidade que a Constituição espanhola lhe concedia.

A procuradoria-geral considera ser necessário realizar "novas diligências que afetam diretamente o rei emérito", que está a ser investigado pelo Supremo Tribunal.

A investigação tem por base um processo iniciado pela procuradoria anticorrupção no final de 2018 para indagar sobre possíveis comissões pagas na adjudicação da construção do comboio de alta velocidade a um consórcio de empresas espanholas em 2011.

O Ministério Público enviou há alguns meses uma comissão rogatória à Suíça para aceder a dados sobre uma alegada doação de 65 milhões de euros de uma fundação com sede no Panamá - chamada Lucum e alegadamente ligada a Juan Carlos - a uma conta de Corinna Larsen.

Uma conversa entre Larsen e um ex-comissário da polícia, José Villarejo, a cumprir pena de prisão desde 2017, deu origem a este processo, que está a decorrer em simultâneo com as investigações do Ministério Público de Genebra (Suíça) contra as movimentações de alegados testas de ferro em contas bancárias neste país.

Segundo o jornal La Tribune de Genève, há alguns meses, o Ministério Público suíço encontrou alegadas provas da movimentação de 100 milhões de dólares por vários gestores de contas na Suíça e suspeita que esse dinheiro, que chegou a uma conta no Panamá da Fundação Lucum, seria proveniente do rei saudita Abdul Aziz Al Saud, sendo o único beneficiário desta fundação Juan Carlos.

Em 2012, segundo o jornal, o dinheiro foi para uma conta de Corinna Larsen, embora o monarca tivesse reservado um milhão para uma outra "antiga amante" residente em Genebra.

Os advogados de Larsen explicaram, numa declaração, que em 2012 a sua cliente tinha recebido um presente "não solicitado" do Rei Emérito, "que o descreveu como uma forma de doação para ela e para o seu filho".

O jornal britânico The Telegrah também publicou que o Rei Filipe VI é o segundo beneficiário de uma conta da fundação panamenha ligada ao seu pai.

Tudo isto terá levado o rei de Espanha, Felipe VI, a anunciar em 15 de março último que renunciava a qualquer futura herança a que tenha direito do seu pai, o rei emérito, e também retirava a Juan Carlos as ajudas de custo anuais que este recebia.

Juan Carlos, de 82 anos, tornou-se rei em novembro de 1975 e foi o chefe de Estado espanhol até à sua abdicação, a favor do filho, em junho de 2014.

Felipe VI, de 52 anos, nega qualquer conhecimento ou envolvimento neste caso.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório