Meteorologia

  • 24 NOVEMBRO 2020
Tempo
MIN 9º MÁX 18º

Edição

Rússia reabre embaixada na Líbia após sete anos de encerramento

A Rússia decidiu reabrir a sua embaixada na Líbia, quase sete anos depois dos funcionários russos terem sido retirados do país devido a um ataque à sede diplomática, disse hoje o Ministro dos Negócios Estrangeiros russo.

Rússia reabre embaixada na Líbia após sete anos de encerramento

"Gostaria (...) de informar que tomámos a decisão de retomar as atividades da embaixada da Rússia na Líbia", declarou Sergei Lavrov, durante uma reunião realizada na capital russa com o presidente do parlamento de Tobruk, Aguila Saleh, aliada do marechal Khalifa Haftar, homem forte no leste da Síria.

Lavrov lembrou que, por enquanto, o encarregado de negócios da embaixada russa na Líbia, Jamshed Boltaev, ficara em Tunes, na Tunísia, mas o seu papel será "representar a Rússia em todo o território líbio".

Um grupo de pessoas enfurecidas invadiu a embaixada russa em Trípoli em outubro de 2013 e queimou a bandeira da missão diplomática, em retaliação pelo assassínio de um oficial da força aérea da Líbia por um cidadão russo, admirador do ex-líder líbio, Muammar Kadhafi, que morreu em 2011.

Após esse ataque, a delegação russa retirou-se para a Tunísia e interrompeu as suas atividades porque o Governo de Trípoli não ofereceu garantias de segurança.

Lavrov reiterou ao líder do parlamento de Tobruk que Moscovo considera que o conflito na Líbia "não tem solução militar" e afirmou que "todas as contradições podem e devem ser resolvidas através de canais políticos na mesa de diálogo entre os próprios líbios".

Nesse sentido, o ministro russo apreciou a iniciativa proposta em 23 de abril por Aguila Saleh, observando que a Rússia apoia "a cessação dos confrontos armados e o início do diálogo político, a fim de formar novos órgãos de poder unido, baseados no representação equitativa das três regiões históricas da Líbia".

Além disso, Lavrov disse que a iniciativa do Cairo na Líbia poderia "lançar as bases do diálogo" na Líbia.

No início de junho, o Presidente egípcio, Abdelfatah al-Sissi, reuniu-se com Haftar e propôs desarmar as milícias para encerrar o conflito entre o general rebelde e o Governo de Acordo Nacional (GAN), sediado em Tripoli, reconhecido pela ONU.

Após a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011, na sequência de uma revolta interna e uma decisiva intervenção aérea de forças da NATO (onde a França se destacou juntamente com Reino Unido e Estados Unidos), a Líbia resvalou para uma situação de caos, com contínuos conflitos e lutas pelo poder.

A guerra civil na Líbia, que se agravou na sequência de uma crescente ingerência externa, em particular do Egito, Emirados Árabes Unidos, França e Rússia em apoio a Haftar e, mais recentemente, da Turquia e Qatar em apoio ao campo oposto -- a Itália, antiga potência colonial, também tem privilegiado os contactos com Tripoli --, provocou muitos milhares de mortos e mais de 200.000 deslocados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório