Meteorologia

  • 14 JULHO 2020
Tempo
26º
MIN 20º MÁX 32º

Edição

Covid-19: OMS avisa que "o pior da pandemia ainda está por vir"

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde afirmou hoje que "o pior ainda está por vir" em relação à covid-19, apontando a politização da pandemia como um fator de divisão aproveitado por um vírus "rápido e assassino".

Covid-19: OMS avisa que "o pior da pandemia ainda está por vir"
Notícias ao Minuto

17:16 - 29/06/20 por Lusa

Mundo Covid-19

No dia em que se assinalam seis meses desde que a OMS recebeu os primeiros relatos sobre casos de pneumonia inexplicados na China, Tedros Ghebreyesus afirmou que "a realidade é que isto ainda está longe de acabar".

"Globalmente, a pandemia está a acelerar", ultrapassadas as barreiras de 10 milhões de casos e 500 mil mortos, indicou.

Tratando-se de um vírus "rápido e assassino", é preciso "evitar as divisões" porque "quaisquer diferenças podem ser exploradas" pelo novo coronavírus, que surgiu em Wuhan, na China, onde a OMS vai enviar "na próxima semana" uma equipa para "compreender como começou e o que se pode fazer no futuro" para o mundo se preparar para lidar com ele.

"Com 10 milhões de casos e meio milhão de mortos, a não ser que resolvamos os problemas que identificámos, como OMS, de falta de unidade nacional e solidariedade global e de um mundo dividido que está a ajudar o vírus a espalhar-se, o pior ainda está por vir. Lamento dizer isto, mas com este tipo de ambiente e condições, tememos o pior. Temos de nos concertar e combater este perigoso vírus", defendeu.

"A nossa mensagem continua a ser a mesma, não se trata de um país, dois países ou três países", salientou Ghebreyesus.

diretor executivo do programa de emergências sanitárias da OMS, Michael Ryan, afirmou que "é fácil criticar qualquer indivíduo ou país e não há nenhum país ou organização que esteja imune a críticas ou defeitos ou dificuldades na resposta" à pandemia.

"Não podemos continuar a permitir que o combate a este vírus se torne um combate ideológico. Não conseguimos vencê-lo com ideologia. Cada pessoa, cada político, precisa de se olhar ao espelho e pensar se está a fazer o suficiente para travar este vírus", defendeu.

"Quando dizemos que é preciso evitar a politização do vírus, isso vai nos dois sentidos. Como indivíduos ou como sociedades, podemos ter de apoiar e encorajar um governo que não escolhemos e do qual não gostamos. Esse é a dificuldade e o desafio da unidade nacional contra um inimigo comum e nós não temos tempo para perder", afirmou.

A principal responsável técnica da OMS no combate à covid-19, Maria Van Kerkhove, frisou que o caminho é estar "do lado da ciência".

"Estamos a aprender com este vírus. Sabemos o que resulta. Não estamos a dizer que é fácil. Não estamos a dizer que não vai levar mais tempo e que vai ser difícil para cada um, para as famílias, para as comunidades e para as nações", afirmou a norte-americana.

Depois de seis meses, a OMS reitera hoje a receita para conseguir conter a transmissão, o que passa por ter as pessoas informadas do papel que assumem, quer transmitindo-lhes que "não estão indefesas" quer o facto de serem também responsáveis pelo que acontece às pessoas com quem estão em contacto, salientou Tedros Ghebreyesus.

Suprimir a transmissão comunitária com medidas de distanciamento e higiene, salvar vidas dos mais vulneráveis tratando todos os casos, acelerar a investigação de vacinas e tratamentos e atingir um patamar de "liderança política e moral" são as outras prioridades apontadas pela OMS.

pandemia de covid-19 já provocou mais de 501 mil mortos e infetou mais de 10,16 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.568 pessoas das 41.912 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

[Notícia atualizada às 18h51]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório