Meteorologia

  • 09 JULHO 2020
Tempo
19º
MIN 19º MÁX 30º

Edição

Boris Johnson defende regresso dos deputados ao trabalho presencial

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu hoje a decisão de acabar com a possibilidade de participação e voto eletrónico no parlamento, alegando que "as pessoas querem que os deputados voltem ao trabalho". 

Boris Johnson defende regresso dos deputados ao trabalho presencial
Notícias ao Minuto

13:50 - 03/06/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"<span class="news_bold">Penso que as pessoas deste país em geral querem que os seus deputados voltem ao trabalho, a fazer o seu trabalho, a passar legislação em nome das pessoas deste país", disse, durante o debate semanal na Câmara dos Comuns. 

Johnson respondia ao líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, que questionou a decisão do Governo de acabar com o funcionamento do parlamento numa versão virtual como fez durante várias semanas em abril e maio, durante o confinamento

O regresso ao funcionamento normal foi aprovado na terça-feira, com 242 deputados a favor e 185 contra, mas o processo resultou numa fila de um quilómetro pelos corredores e exterior do edifício do parlamento para garantir o distanciamento social, demorando cerca de 45 minutos. 

Vários conservadores manifestaram-se contra a proposta do próprio partido e Keir Starmer considerou o processo "vergonhoso" e desnecessário, mas o primeiro-ministro defendeu que o regresso ao voto presencial, mesmo que implique filas e demore, faz sentido no contexto do desconfinamento

Nas últimas semanas, o Governo britânico levantou muitas das restrições em termos de encontro de pessoas e atividades ao ar livre, determinou a reabertura parcial das escolas primárias e secundárias e prevê a reabertura de lojas não essenciais em meados do mês. 

"As pessoas normais estão a habituar-se a fazer fila por longos períodos de tempo para fazer compras ou outras coisas", argumentou Johnson. 

O primeiro-ministro disse ainda, durante o debate, que assume "total responsabilidade" e que tem "orgulho" nos resultados do Governo no combate à pandemia covid-19. 

"Se olhar para o que atingimos, é considerável: protegemos o NHS [serviço nacional de saúde britânico], fizemos descer a taxa de mortalidade, assistimos a menos hospitalizações. Acredito que as pessoas percebem que, com o bom senso comum britânico, vamos continuar a derrotar este vírus", disse. 

O Reino Unido é o país com o segundo maior número de mortes a nível mundial, atrás do EUA, durante a pandemia, tendo registado até terça-feira 39.369 óbitos

Porém, de acordo com estatísticas e números oficiais, o balanço já chegou às 50.000 mortes, se forem incluídos casos suspeitos de pessoas que não foram testadas. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório