Meteorologia

  • 16 MAIO 2022
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 22º

Covid-19: EUA tiveram "luxo" de observar pandemias antes de as sofrerem

Os Estados Unidos tiveram, "por muito tempo, o luxo de ver o que acontece nos outros países" durante pandemias, antes de serem afetados, considerou hoje o professor de segurança nacional Charles Morgan.

Covid-19: EUA tiveram "luxo" de observar pandemias antes de as sofrerem

"Por muito tempo, nos Estados Unidos, tivemos o luxo de ver as tragédias acontecerem noutro lugar do mundo primeiro. Tivemos o luxo de olhar para países estrangeiros e analisar o que acontece, dizendo que vamos lidar e preocupar-nos quando o problema chegar aqui", disse Charles Morgan, antigo conselheiro especial do Inspetor-geral do Departamento de Defesa dos EUA.

As afirmações foram feitas hoje pelo professor da Universidade de New Haven durante uma teleconferência com jornalistas sobre a covid-19, acrescentando que o SARS (síndrome respiratória aguda grave) de 2003 e o ébola, em 2014, são exemplos de epidemias que surgiram noutros lugares do mundo, antes de afetarem os Estados Unidos.

Charles Morgan defendeu a "ideia da vigilância global" que surge nas alturas de pandemia, em que existe maior cooperação científica a nível internacional, com partilha de dados genéticos sobre o vírus e amostras.

"Este é um sistema que tem de estar sempre ativo e não existir apenas quando existe uma pandemia", declarou o professor de segurança nacional da Universidade de New Haven.

O especialista referiu que os vírus influenza são o "modelo de pandemia" que caracteriza a resposta dos EUA em casos de crise de saúde pública, mas que pode não ser o mais acertado.

"As pessoas esquecem muitas vezes que o coronavírus pode sofrer mutações, por isso é que já conhecemos pelo menos quatro que têm sintomas semelhantes, como a gripe e dificuldades de respiração", disse, sublinhando que a natureza está em constante desenvolvimento.

O antigo conselheiro do Inspetor Geral dos EUA acredita que haverá "mais uma onda" do novo coronavírus que provoca a doença covid-19 e vai também "alterar a prestação de cuidados de saúde" nos EUA e a forma como a saúde é paga.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (42.364) e mais casos de infeção confirmados (quase 788 mil) em todo o mundo.

Charles Morgan declarou que a covid-19 trouxe um "profundo impacto" e "revelou a inadequação do sistema de saúde" nos EUA, acrescentando que "é insustentável para o futuro".

Os cuidados de saúde à população dependem, na maior parte, do setor privado e de hospitais 'for-profit' (com fins lucrativos), que têm o direito de recusar tratar pacientes se estes não tiverem um seguro de saúde para cobrir os serviços ou outra forma de pagamento.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 172.500 mortos e infetou mais de 2,5 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 558 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório