Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 17º

Edição

Autoridades quenianas investigam morte de rapaz de 13 anos pela polícia

As autoridades quenianas estão a investigar a morte de um rapaz de 13 anos que terá sido abatido pela polícia enquanto esta realizava operações para garantir o isolamento na capital, Nairobi, declarado devido à pandemia de covid-19.

Autoridades quenianas investigam morte de rapaz de 13 anos pela polícia
Notícias ao Minuto

19:00 - 31/03/20 por Lusa

Mundo Quénia

Segundo o inspetor-geral da polícia do Quénia ordenou uma investigação à morte do rapaz por uma alegada "bala perdida", incluindo a análise forense das armas utilizadas pelos agentes das forças de segurança no local.

De acordo com a família, citada pela agência Associated Press, o rapaz estava na varanda da casa da sua família, nos arredores de Nairobi, quando vários agentes da polícia entraram no bairro, impondo o recolher obrigatório decretado para conter o novo coronavírus no Quénia.

Na plataforma social Twitter, a polícia queniana apresentou as suas "sinceras condolências à família" do rapaz.

"Vieram a gritar e a bater-nos como se fôssemos vacas, e nós somos cidadãos que respeitam a lei", afirmou o pai do rapaz, citado pela AP.

Uma vizinha, também ouvida pela agência noticiosa norte-americana, referiu que houve intenção da polícia em disparar sobre o rapaz.

"Consegui ver a polícia a fazer mira para o edifício", afirmou Hadijah Mamo, que acrescentou: "Ouvi pessoas a gritar que o rapaz tinha sido abatido".

Na sexta-feira, o Quénia impôs um recolher obrigatório entre as 19:00 e as 06:00 horas locais, uma decisão que não foi bem recebida pela população.

Na cidade portuária de Mombasa, a polícia disparou gás lacrimogéneo sobre centenas de pessoas que tentavam alcançar um 'ferry' após saírem do trabalho, havendo ainda registos capturados por telemóveis de agentes policiais que agrediram pessoas com cassetetes.

A morte de um taxista também está associada a agressões da polícia, segundo a AP.

A Autoridade de Supervisão Policial Independente, um grupo civil estabelecido pelo parlamento, está a analisar a morte de um outro taxista, em Homa Bay.

Grupos de direitos humanos, a igreja católica e o Ministério da Saúde do Quénia condenaram a violência da polícia.

"As pessoas devem ser tratadas de forma humana", referiu o secretário da Saúde do Quénia, Mutahi Kagwe, após a violência registada na sexta-feira.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 791 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 38 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O número de mortes em África subiu para 173 nas últimas horas, com os casos confirmados a ultrapassarem os 5.000 em 47 países, de acordo com as mais recentes estatísticas sobre a doença no continente.

Segundo dados da União Africana, o Quénia conta 50 casos de infeção, dos quais resultou pelo menos uma morte e uma recuperação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório