Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2020
Tempo
19º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

Pelo menos 10 membros de grupo armado da RD do Congo mortos em ataque

Pelo menos dez membros de um grupo armado acusado de massacres em Ituri, no nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo), foram mortos, tendo o seu líder ficado "gravemente ferido", segundo fontes consultadas por agências noticiosas internacionais.

Pelo menos 10 membros de grupo armado da RD do Congo mortos em ataque
Notícias ao Minuto

18:31 - 26/03/20 por Lusa

Mundo Congo

"O exército foi atacado por um grupo de elementos do grupo armado Ngudjolo", uma milícia com o nome do seu líder, afirmou o porta-voz deste ramo das Forças Armadas congolesas (FARDC), Jules Ngongo, citado pela agência France-Presse.

A mesma fonte refere que o líder rebelde Justin Ngudjolo "foi gravemente ferido" durante o combate e que os militares congoleses "estão a patrulhar a área até o encontrarem, vivo ou morto".

Segundo Ngongo, há registo de "dez mortes, dos quais sete são guardas" do chefe rebelde.

Durante a incursão, um soldado das FARDC ficou ferido.

Justin Ngudjolo é líder do grupo armado Cooperativa para o Desenvolvimento do Congo (Codeco), que desde junho tem estado ativo no território de Djugu, província de Ituri.

Esta região, no norte de Ituri, tem sido palco frequente de violência desde o final de 2017.

Segundo as Nações Unidas, mais de 700 civis morreram num conflito digno de um "crime contra a humanidade".

Entre 1999 e 2003, estima-se que o conflito nesta região, rica em ouro e petróleo, tenha provocado a morte de dezenas de milhares de pessoas, levando à intervenção de uma força europeia.

O conflito opôs duas comunidades, os lendu, agricultores, e os hema, pastores e comerciantes, sendo o grupo armado Codeco é uma milícia favorável aos primeiros.

Segundo o relatório conjunto da Missão das Nações Unidas na RDCongo, a Monusco, e do Gabinete dos Direitos Humanos da ONU, uma das principais questões no atual conflito é o "controlo de terra pelos lendu".

Por outro lado, os hema são as principais vítimas deste conflito que ressurgiu em 2017.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório