Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2020
Tempo
MIN 5º MÁX 11º

Edição

Bebés do Maláui recebem vacina contra a malária em projeto-piloto

Bebés do Maláui começaram hoje a ser vacinados contra a malária, num projeto-piloto a decorrer em conjunto com o Quénia e o Gana.

Bebés do Maláui recebem vacina contra a malária em projeto-piloto
Notícias ao Minuto

14:12 - 16/01/20 por Lusa

Mundo Malaui

Um beliscão na perna, um guincho e uma lágrima. Desta forma, este país da África Austral, onde a doença é das mais mortíferas, está a aplicar aos bebés um programa-piloto e invulgar de vacinação.

Ao contrário de outras vacinas que asseguram uma proteção quase total, esta apresenta uma eficácia de cerca de 40%, mas os especialistas consideram que se trata de mais uma tentativa de progresso contra o avanço da malária, numa altura em que a resistência ao tratamento está a crescer e a queda global dos casos estabilizou.

Com a vacina, a esperança é ajudar as crianças mais pequenas no período mais perigoso das suas vidas.

Transmitida através das picadas de mosquitos, a malária mata mais de 400.000 pessoas por ano, dois terços delas com menos de cinco anos e a maioria em África.

Charity Nangware, com 07 meses de idade, recebeu a vacina num dia chuvoso de dezembro numa clínica na cidade de Migowi. Seguiu curiosa a agulha a deslizar até à coxa e depois emitiu um choro.

A mãe, Esther Gonjani, mostrou bastante entusiasmo com a medida, até porque ela própria contraiu a doença, sofrendo as dores e a febre uma vez por ano, além de perder uma semana de trabalho sempre que os filhos estão doentes.

Poucos escapam à malária -- "malungo" na língua local Chichewa - especialmente durante os cinco meses da estação chuvosa.

As poças de água estagnadas, onde os mosquitos se reproduzem, rodeiam as casas de tijolo e palha e alinham as estradas de terra através de plantações de chá ou campos de milho e cana-de-açúcar.

Por agora, apenas os bebés em algumas zonas do Maláui, Quénia e Gana são elegíveis para a vacina (Mosquirix).

Após a sua aprovação em 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que pretendia a sua aplicação num projeto piloto para ver como funcionava em alguns países e em condições reais, antes de recomendar a sua ampla administração a toda a África.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório