Meteorologia

  • 20 FEVEREIRO 2020
Tempo
19º
MIN 8º MÁX 19º

Edição

Charlie Hebdo critica New York Times por recuar na publicação de cartoon

O chefe de redação do jornal francês Charlie Hebdo disse na terça-feira que não publicaria o 'cartoon' de António sobre Trump por não se enquadrar nos códigos visuais da publicação, mas criticou o The New York Times por ter recuado.

Charlie Hebdo critica New York Times por recuar na publicação de cartoon

"Não é um desenho que apareceria no Charlie porque efetivamente há muitos símbolos e a sua interpretação pode ser muito ambígua. Para nós, não é um bom desenho, mas não é isso que está em causa. A questão principal é que o The New York Times decidiu (...) parar a publicação de todos os 'cartoons' políticos, portanto disse que o problema não é o antissemitismo, é o desenho em si", afirmou Gerard Biard, chefe de redação do Charlie Hebdo.

O jornalista francês comentava o episódio no ano passado pelo cartoonista português António, quando a caricatura que fez do Presidente dos EUA, Donald Trump (como cego guiado pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, representado como um cão envergando a estrela de David na coleira), publicada na edição internacional do The New York Times, levou o jornal a preferir extinguir a secção de 'cartoon' político depois de receber muitas críticas.

"Os 'cartoons' trazem problemas às redações. [...] Vivemos num mundo de imagens, mas poucas pessoas sabem ler estas imagens. E poucas pessoas sabem ler um 'cartoon'. Ele tem contexto, uma coisa é o que ele parece dizer e outra é o que ele diz verdadeiramente", defendeu o chefe de redação.

A intervenção aconteceu numa homenagem que decorreu esta terça-feira à noite na Maison de la Radio, onde se assinalaram cinco anos sobre o atentado ao jornal francês que vitimou mortalmente 12 pessoas, entre elas alguns cartoonistas emblemáticos do semanário. Vários elementos da redação estiveram presentes em debates à frente de uma plateia repleta e também um grande dispositivo de segurança.

Minutos antes de se falar do desenho de António, Biche, cartoonista do Charlie Hebdo, explicou que o jornal evita publicar desenhos em que apareçam símbolos e que, apesar de não haver um traço particular entre os seus colaboradores, há certas regras.

"Não usamos símbolos religiosos ou, por exemplo, o símbolo da paz, porque não queremos que isso crie confusão no que queremos dizer. [...] Não há uma escola Charlie, cada um chega com as suas próprias experiências, estamos todos juntos e é com se fossemos todos um ingrediente da mesma receita", indicou o cartoonista.

Neste debate, intitulado "Desenho como barómetro das nossas democracias", o ensaísta Yannick Haenel, que contribui regularmente para este jornal francês, criticou a nova forma de puritanismo que atinge a França neste momento e ameaça a liberdade de expressão no país.

"Há um dispositivo, quase planetário, submisso à loucura do puritanismo. E isso exprime-se através de uma série de indignações que nos opõem uns aos outros. A liberdade é um escândalo e isso é algo muito belo. Não somos livres naturalmente, tornamo-nos livres, ao exercermos um olhar crítico sobre nós próprios e sobre os outros e tocando algo que muitas vezes é interdito", afirmou Yannick Haenel.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório