Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2020
Tempo
MIN 7º MÁX 13º

Edição

Participação baixa e protestos marcam presidenciais na Argélia

Uma taxa de participação de apenas 7,92% nas primeiras horas, algumas assembleias de votos vandalizadas e uma manifestação de protesto em Argel estão a marcar as primeiras horas das eleições presidenciais que hoje decorrem na Argélia.

Participação baixa e protestos marcam presidenciais na Argélia
Notícias ao Minuto

14:25 - 12/12/19 por Lusa

Mundo Argélia

Ao fim da manhã, o presidente da Autoridade Nacional Independente das Eleições (ANIE), Mohamed Charif, informou que a taxa de participação no escrutínio presidencial, que tem sido fortemente contestado pela oposição argelina e nas ruas daquele país, situava-se nos 7,92% às 11:00 locais (10:00 em Lisboa).

Charif precisou também que 90% das cerca de 61 mil assembleias de voto distribuídas pelo país tinham aberto às 08:00 locais (09:00 hora de Lisboa) e que cerca de 6% tinham registado perturbações.

Nas eleições presidenciais de 2014, a taxa de participação registada à mesma hora era ligeiramente superior, 9,15%. Nesse ano, a taxa de abstenção rondou os 50%.

A maioria dos observadores do ato eleitoral espera hoje uma forte abstenção por parte dos eleitores argelinos, devido à contestação liderada pelo movimento popular "Hirak", que se opõe à realização das presidenciais, convocadas pelo poder interino, e que apelou ao boicote do escrutínio.

O movimento, que saiu pela primeira vez para as ruas argelinas em fevereiro, considera que a votação de hoje visa garantir a sobrevivência do "sistema" que vigora no país há quase seis décadas.

Os cinco candidatos que se apresentam às presidenciais argelinas apoiaram o percurso político ou participaram em governos do Presidente Abdelaziz Bouteflika, obrigado a demitir-se em abril na sequência da contestação popular e após 20 anos no poder.

O facto de a votação estar a decorrer em todo o país não está a impedir que a contestação prossiga nas ruas argelinas.

As agências internacionais estão a relatar a realização na capital argelina, Argel, de uma manifestação contra as presidenciais, apesar da polícia ter tentado travar, com recurso ao uso da força, a concentração.

Segundo a agência noticiosa France Presse (AFP), a polícia, presente em Argel com um forte dispositivo, interveio de forma rápida e robusta durante toda a manhã para tentar impedir a manifestação.

No entanto, os manifestantes, cerca de uma dezena de milhares de pessoas, conseguiram juntar-se e furar o cordão policial que impedia o acesso à zona prevista para a ação de protesto.

Ao longo da manhã, a AFP relatou que duas assembleias de voto no norte da Argélia tinham sido vandalizadas por grupos que se opõem à realização das eleições presidências.

"As urnas de voto e os boletins foram destruídos", disseram testemunhas locais, que não identificaram os atacantes.

Segundo a ANIE, as listas eleitorais argelinas integram 24.474.161 eleitores, incluindo 914.308 inscritos no estrangeiro.

Durante a campanha, não foi disponibilizada qualquer sondagem para avaliar a possível participação no escrutínio.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório