Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2020
Tempo
17º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Morna património da humanidade é momento "muito desejado"

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, afirmou hoje que o momento "muito desejado aconteceu", com a classificação da morna como Património Imaterial Cultural da Humanidade pela UNESCO, o que representa agora acrescidas responsabilidades para Cabo Verde.

Morna património da humanidade é momento "muito desejado"
Notícias ao Minuto

18:46 - 11/12/19 por Lusa

Mundo Ulisses Correia e Silva

"O momento esperado e muito desejado aconteceu. A morna é, a partir de hoje, Património Imaterial da Humanidade", afirmou Ulisses Correia e Silva, rodeado de mais duas dezenas de músicos, compositores e instrumentistas que, no Palácio do Governo, na Praia, acompanharam através da Internet a proclamação da UNESCO, na Colômbia.

A morna, género musical típico de Cabo Verde, foi proclamada hoje Património Imaterial Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO, na sigla inglesa).

"É um dia particularmente feliz, em que nós todos devemos estar felizes de ter nascido cabo-verdianos", afirmou o chefe do Governo, já depois da festa do anúncio e antes de um improvisado concerto de mornas no Palácio do Governo, com os artistas.

A decisão final sobre a ratificação da classificação, que já tinha recebido o aval da comissão de peritos em novembro, foi tomada hoje, durante a 14.ª reunião anual do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO, que decorre desde segunda-feira no Centro de Congressos Agora, em Bogotá, Colômbia.

A classificação, recordou o primeiro-ministro, impõe a Cabo Verde, a partir de agora, "maiores responsabilidades": "Na preservação, na salvaguarda, na valorização e promoção da morna em Cabo Verde, junto da nossa diáspora e no mundo".

Garantiu, por isso, que "Cabo Verde irá cumprir e honrar com a UNESCO o reconhecimento da morna como património de toda a humanidade".

Ulisses Correia e Silva assegurou que o Orçamento do Estado para 2020 já conta com verbas para "o início da implementação do plano de salvaguarda que foi aprovado no conjunto do dossiê desta candidatura" e que o Instituto do Património Cultural já tem competências "reforçadas" no processo de preservação.

Considerada popularmente "música rainha" de Cabo Verde, o dossiê da sua candidatura a Património Imaterial Cultural da UNESCO, com mais de 1.000 páginas e cerca de 300 entrevistas, foi formalmente entregue pelo Governo cabo-verdiano em 26 de março de 2018.

Visivelmente emocionado, numa intervenção feita pouco minutos do anúncio da proclamação pela UNESCO, o primeiro-ministro agradeceu o apoio, nesta candidatura, dos "amigos de Cabo Verde", como a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Mas sobretudo dos músicos, compositores e instrumentistas, das várias gerações, no país e na diáspora.

"Fizeram e fazem com que o cabo-verdiano seja um povo privilegiado por Deus, pela sua música e pela sua morna", afirmou.

Com esta classificação, exortou ainda ao aproveitamento cultural e económico da decisão: "Particularmente o turismo, que passará a partir de hoje a ter a marca indelével da expressão mais genuína deste povo crioulo com mais de cinco séculos e meio de história: a morna", sublinhou.

Para Ulisses Correia e Silva, a decisão tomada pela UNESCO é também uma "grande oportunidade para o setor empresarial da música nacional".

"Novas carreiras, novos palcos, novas agendas se abrem com esta nova oportunidade", apontou.

O governante apelou: "Não deixem morrer o folclore da nossa terra. Por onde vocês forem cantem com veneração. Cantem na partida, cantem no regresso. Morna ontem, hoje e sempre".

De acordo com o dossiê da candidatura, a morna terá surgido no século XIX, não sendo consensual a origem do nome e ilha onde nasceu: Boa Vista ou Brava.

Marcada pelas letras do poeta Eugénio Tavares (ilha da Brava, 1867 -- 1930) e mais de tarde de Francisco Xavier da Cruz ou 'B.Léza' (ilha de São Vicente, 1905 -- 1958), a morna conheceu o seu expoente maior fora de Cabo Verde através da cantora César Évora (1941 -- 2011), que através daquele género musical abriu as portas do mundo a um país de pouco mais de meio milhão de habitantes.

A morna surge de uma mistura de estilos musicais com fortes raízes africanas, o landum, com as influências da modinha luso-brasileira, recorda o dossiê de candidatura.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório