Meteorologia

  • 17 FEVEREIRO 2020
Tempo
16º
MIN 11º MÁX 17º

Edição

Potências pressionam Irão a abandonar programa nuclear

Vários países estão a pressionar o Irão para abandonar o seu programa nuclear, alegando que viola o acordo de 2015, mas não chegam a acordo sobre o acionamento do mecanismo de resolução de controvérsias, segundo uma autoridade chinesa.

Potências pressionam Irão a abandonar programa nuclear
Notícias ao Minuto

18:29 - 06/12/19 por Lusa

Mundo Irão

Representantes de cinco potências mundiais reuniram hoje em Viena com uma delegação iraniana para discutir como salvar o acordo nuclear de 2015, que ficou ameaçado depois de os Estados Unidos o terem abandonado, em 2018, e após várias violações dos termos do plano por parte de Teerão.

Contudo, a China não concorda com a invocação do chamado mecanismo de resolução de controvérsias do acordo, como um gesto que sirva de base a uma proposta que possa ser levada ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, segundo o representante chinês no encontro, Fu Cong.

O diplomata chinês disse aos jornalistas que "o Irão deixou muito claro que todas as suas ações são reversíveis e que está preparado para voltar ao pleno cumprimento do acordo", pelo que não vê necessidade de acionar o mecanismo de resolução.

Os países europeus, contudo, consideram que o mecanismo de resolução de controvérsias deve ser acionado, tendo em conta que o Irão tem intensificado a produção de urânio enriquecido e está mesmo a usar o seu programa nuclear com fins militares.

A representante da União Europeia, Helga Schmid, que presidiu à reunião, usou a sua conta da rede social Twitter para reconhecer que "há uma responsabilidade coletiva para preservar" o acordo, e instou "todos os participantes a reportarem aos seus governos, pois são necessários grandes esforços de todas as partes".

Após a reunião, o representante iraniano Abbas Araghchi disse aos jornalistas que considera que as potências mundiais "estão interessadas em encontrar soluções práticas para que pudessem continuar sua cooperação económica com o Irão".

"Percebemos o espírito de responsabilidade desses países, mas é claro que existem problemas e obstáculos no caminho", disse Araghchi, sem se comprometer com uma decisão do Governo de Teerão, relativamente às exigências de suspensão do programa nuclear.

Antes das negociações em Viena, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Christofer Burger, tinha dito aos jornalistas, em Berlim, que a abordagem do Irão era "inaceitável" e que os diplomatas deixariam isso claro na reunião de Viena.

"Salientamos que o Irão deve reverter completamente suas violações" do acordo, disse o porta-voz do Governo alemão, antes da reunião que decorre dois dias depois de os três países que aderiram ao acordo nuclear de 2015 -- Alemanha, França e Reino Unido -- terem enviado uma carta ao secretário-geral da ONU, António Guterres, denunciado o facto de o Irão estar a usar o seu programa nuclear para fins militares.

Enquanto isso, o presidente iraniano, Hassan Rohani, insistiu na quarta-feira que o seu governo continua disponível para negociar com os Estados Unidos em os parceiros que permanecem no acordo nuclear, mas apenas quando Washington levantar "todas as suas sanções injustas contra o Irão".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório