Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2020
Tempo
12º
MIN 7º MÁX 19º

Edição

Greve geral em França contra reforma das pensões marcada por incidentes

Manifestantes encapuzados provocaram confrontos com a polícia em Paris, durante a manifestação no âmbito da greve geral hoje iniciada contra a alteração do sistema de reformas proposta pelo Presidente francês, Emmanuel Macron.

Notícias ao Minuto

16:28 - 05/12/19 por Lusa

Mundo França

Os confrontos eclodiram pouco antes das 16h00 locais (15h00 em Lisboa), nas avenidas do leste da cidade, onde foi formado um grupo composto por pelo menos 500 radicais, segundo fontes oficiais citadas pela estação de rádio France Info.

A Prefeitura da Polícia de Paris indicou, na sua conta da rede social Twitter, que até às 15h30 (14h30 em Lisboa) as forças de ordem já tinham detido 71 pessoas e realizado 9.350 controlos para tentar evitar os distúrbios.

Fontes sindicais anunciaram hoje de manhã que se realizaram assembleias gerais de trabalhadores do setor dos transportes que votaram, por esmagadora maioria, a continuação da greve nos transportes na capital francesa "até segunda-feira".

A mobilização, muito forte de hoje, será "semelhante até segunda-feira", indicou Thierry Babec da UNSA, o primeiro sindicato da RATP, empresa de transportes da região de Paris.

A greve geral que começou hoje em França, contra a alteração do sistema de reformas, está a atingir todos os setores essenciais tornando difícil chegar aos locais de trabalho, deixar as crianças na escola, ter acesso às urgências ou chamar os bombeiros.

Convocada pelas grandes associações sindicais, a intersindical e interprofissional, previa-se que a greve teria mais impacto nos transportes, o setor mais mobilizado e o primeiro a opor-se com veemência à introdução do novo sistema de reformas que quer acabar com os 42 subsistemas de pensões atualmente existentes em França.

A SNCF, empresa ferroviária, assegura apenas um em cada 10 TGV e um em cada 10 comboios regionais, incluindo na parisiense, e intercidades. Quanto ao Eurostar, apenas um em cada dois vão fazer viagens e não haverá qualquer ligação a Itália, Espanha e Alemanha.

Quanto aos transportes dentro da capital, a RATP prevê que a maior parte das linhas do metro estejam fechadas, exceto as linhas 1 e 14, que são automáticas, mas que também serão fechadas caso haja demasiados passageiros.

Os autocarros serão reduzidos para um terço.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório