Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2019
Tempo
MIN 6º MÁX 15º

Edição

Trump: Presidente colocou interesses pessoais acima dos do país

A Comissão das Informações da Câmara dos Representantes divulgou na terça-feira os argumentos de um possível julgamento político contra o presidente norte-americano, acusado de ter colocado os seus "interesses pessoais e políticos" à frente dos do país.

Trump: Presidente colocou interesses pessoais acima dos do país
Notícias ao Minuto

06:30 - 04/12/19 por Lusa

Mundo Trump

Ao longo de 300 páginas é relatado como Donald Trump condicionou alegadamente a entrega da ajuda militar à Ucrânia à abertura de uma investigação por parte de Kiev ao ex-vice-presidente democrata Joe Biden e ao seu filho Hunter, por presumível corrupção no país europeu, o que iria beneficiar a campanha eleitoral do inquilino da Casa Branca e desembocou na atual investigação do Congresso a Trump.

Em resultado da investigação dos congressistas, os democratas da Câmara de Representantes consideram que Trump abusou do poder, obstruiu as investigações do Congresso e comprometeu a segurança nacional, pelo que consideram que, tudo junto, há motivos suficientes para a sua destituição.

O documento vai servir de base à Comissão Judicial da Câmara dos Representantes, que vai agora redigir os designados "artigos de juízo político", isto é, as acusações contra o presidente dos EUA, caso venha a ser aberto o processo de destituição.

As principais conclusões do documento apontam, entre outras, para abuso de poder, obstrução inédita e para comprometer a segurança dos EUA.

Assim, o texto recordou o telefonema entre Trump e o presidente ucraniano, Vladimir Zelenski, em que aquele lhe pediu "um favor", e denunciou que o multimilionário republicano procurou interferir no resultado das próximas eleições.

"Durante um telefonema em 25 de julho, o presidente Trump pediu ao presidente Zelenski, da Ucrânia, que lhe 'fizesse um favor' e investigasse Joe Biden", sublinhou a comissão.

Outra acusação a Trump foi a de fazer uma "obstrução sem precedentes", considerando a comissão que este foi mesmo "o primeiro e único presidente na história dos EUA que desafia indiscriminada e abertamente todos os aspetos do processo constitucional de destituição ao ordenar a todas as agências federais e funcionários, de maneira categórica, que não cumpram as intimações".

Os democratas consideraram que esta "falta de cooperação sem precedentes" pode ser vir como "fundamento" da proposta de destituição de Trump.

Comprometer a segurança dos EUA é outra acusação feita a Trump, uma vez que este usou os poderes do seu cargo para solicitar a interferência estrangeira nas eleições de 2020.

Acresce, salientaram os democratas, que a Ucrânia, para Trump, pouco ou nada importava, baseando-se nas declarações prestadas no Congresso pelo embaixador dos EUA na União Europeia, Gordon Sondland.

"Pelo contrário", destacou-se no documento, a Trump só lhe importavam as "coisas importantes" que o beneficiavam pessoalmente, como "a investigação a Biden".

No documento, particularizou-se ainda que, "em 11 de setembro, o presidente Trump levantou o bloqueio da assistência militar à Ucrânia, depois de a Casa Branca considerar que a sua conspiração tinha sido exposta".

Os democratas argumentaram que Trump só desbloqueou a ajuda militar à Ucrânia quando os meios de comunicação e vários congressistas começaram a denunciar a existência de um 'quid pro quo', expressão que designa troca de favores, nas atitudes de Trump em relação a Kiev.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório