Meteorologia

  • 04 ABRIL 2020
Tempo
17º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

"Nada melhor que começar a trabalhar no dia do Tratado de Lisboa"

A presidente da nova Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, comentou hoje, em Bruxelas, que "não poderia haver melhor dia para começar a trabalhar" do que no décimo aniversário da entrada em vigor do Tratado de Lisboa.

"Nada melhor que começar a trabalhar no dia do Tratado de Lisboa"

Von der Leyen, o novo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, e a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, juntaram-se hoje na Casa da História Europeia, em Bruxelas, para assinalar, numa curta cerimónia, a entrada em funções do novo executivo comunitário, mas também dos 10 anos do Tratado de Lisboa, que todos foram unânimes em elogiar, considerando que capacitou a União para enfrentar os novos desafios.

"Penso que não poderia haver melhor dia para começar o trabalho do que este aniversário. Nós somos os guardiões dos Tratados e, de uma forma muito especial, nós somos os custodiantes do Tratado de Lisboa", declarou a presidente do executivo comunitário, que assumiu a responsabilidade conjunta dos novos líderes das instituições da UE de "deixar uma União mais forte do que aquela herdada".

Referindo-se ao local da cerimónia, a Casa da História Europeia, Von der Leyen observou que este museu "mostra o tesouro herdado, um continente em paz, com direitos e liberdades, um mercado único com oportunidades económicas sem precedentes", e disse ser dever de todos "preservar este tesouro".

"Mas a Europa não é só uma herança, a Europa é também uma promessa, a Europa é futuro, algo que temos todos de construir, tijolo a tijolo, dia a dia", sublinhou, deixando então a garantia de que todos trabalharão nos próximos anos no sentido de ir ao encontro dos "sonhos e aspirações dos europeus".

Também hoje a iniciar funções, o novo presidente do Conselho Europeu sublinhou na sua intervenção que o Tratado de Lisboa "tornou possível muitos progressos na União Europeia", disponibilizando "novas ferramentas para fazer face aos novos desafios", e, passados 10 anos da sua entrada em vigor, é mais atual do que nunca.

Charles Michel comentou que "uma importante reforma" do Tratado assinado na capital portuguesa em dezembro de 2007 permite enfrentar com outra força o grande desafio do combate às alterações climáticas, pois "deu à União Europeia uma nova personalidade legal", permitindo-se assinar como um todo "tratados internacionais vitais, como o Acordo de Paris" sobre o clima.

"Hoje celebramos um novo início, com grande entusiasmo e esperança. Inspiremo-nos neste tratado para levar a cabo as reformas positivas necessárias para ir ao encontro das expectativas, justas e ambiciosas, dos cidadãos europeus", disse o presidente do Conselho Europeu, figura institucional criada precisamente pelo Tratado de Lisboa.

Por seu lado, o presidente do Parlamento Europeu -- já em funções desde julho passado -- comentou que se tratou da primeira cerimónia com os novos presidentes das três grandes instituições europeias e ainda do BCE, no "sítio certo para relançar o projeto europeu".

Comentando que "quis o destino" que a entrada em funções da nova Comissão Europeia e da presidência do Conselho Europeu "coincidisse com o décimo aniversário da entrada em vigor do Tratado de Lisboa", David Sassoli enfatizou que "agora é tempo de passar à ação e tornar as promessas dos últimos meses em resultados".

Elegendo também o combate às alterações climáticas como "uma urgência", o presidente da assembleia advertiu que "os cidadãos querem ver uma ação real" neste campo, e a Europa não deve desiludi-los.

Por fim, a nova presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, sublinhou o facto de o novo ciclo da UE ter início no "museu da História da Europa, com quatro presidentes juntos, dois homens e duas mulheres", que devem "trabalhar em conjunto" para tirar o máximo partido da "força da União, a maior região económica do mundo".

Quatro dias depois de ter recebido finalmente o voto favorável do Parlamento Europeu, o novo executivo comunitário, que integra a comissária Elisa Ferreira, responsável pela pasta da Coesão e Reformas, iniciou hoje o seu mandato de cinco anos, assinalando a e entrada em funções com a celebração do décimo aniversário da entrada em vigor do Tratado de Lisboa, assinado em Lisboa em dezembro de 2007, durante a anterior presidência portuguesa da UE.

Numa mensagem hoje divulgada na sua conta oficial na rede social Twitter, o primeiro-ministro António Costa também assinalou a efeméride, apelando às instituições europeias e aos restantes Estados-membros para que, "em vez de embarcar em reformas institucionais estéreis", se aproveite "o vasto potencial por explorar do Tratado [de Lisboa] para desenvolver políticas que respondam aos legítimos anseios" dos cidadãos.

Na mensagem, o primeiro-ministro convidou ainda os Estados-membros a "celebrar a União Europeia como comunidade de valores", o espaço "comum de paz, democracia, liberdade e prosperidade partilhada".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório