Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2019
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

Libaneses na rua pretendem festejar uma "nova independência"

Dezenas de milhares de libaneses celebraram hoje em Beirute o 76.º aniversário do seu país e pediram uma "nova independência", em plena contestação inédita contra a classe dirigente.

Libaneses na rua pretendem festejar uma "nova independência"
Notícias ao Minuto

17:53 - 22/11/19 por Lusa

Mundo Líbano

Numerosas "paradas civis" convergiram em direção à praça dos Mártires no centro de Beirute, o principal local da contestação, onde se reuniram milhares de pessoas.

Os manifestantes instalaram barricadas nos dois lados da artéria numa homenagem de honra às delegações, enquanto eram agitadas bandeiras e entoados cânticos.

"A mensagem importante é que o Líbano está de novo unido", considerou uma jovem escutada pela agência noticiosa AFP.

"A parada civil está aqui para significar que todos os cidadãos são bem-vindos", acrescentou.

O ambiente festivo contrastou com o desfile militar de decorreu de manhã no Ministério da Defesa, na presença do Presidente Michel Aoun e do primeiro-ministro cessante, Saad Hariri.

Em simultâneo, a ONU assegurou que está a promover reuniões de alto nível em Washington com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial para suster a "rápida" deterioração económica do Líbano, em plena contestação social que se prolonga há um mês.

"Reuniões de alto nível em Washington com o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional. Graves preocupações acerca da rápida e profunda crise económica e social o Líbano e a ausência de uma gestão adequada da situação", assegurou hoje o coordenador especial para o Líbano da ONU, Jan Kubis, na sua conta na rede social Twitter.

O país mediterrânico regista um colapso económico agravado pela corrupção do Governo e tornou-se num dos países mais endividados do mundo.

A crise económica foi agravada com o encerramento dos bancos durante três semanas desde 17 de outubro, até a imposição de um limite para a retirada de dólares das contas correntes.

Desde essa data, o país vive ao ritmo de um protesto sem precedentes contra o conjunto dos dirigentes políticos, acusados de incompetência e corrupção.

O Líbano terminou com o jugo francês em 1943 na sequência de manifestações populares que juntaram cristãos e muçulmanos.

De seguida, o país mergulhou numa guerra civil (1975-1990), e registou duas ocupações estrangeiras, israelita e síria. Permanece profundamente dividido, em termos confessionais e políticos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório