Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

William Barr: Suicídio de Jeffrey Epstein foi resultado de vários erros

O procurador-geral dos EUA, William Barr, disse hoje que a morte de Jeffrey Epstein, o empresário acusado de abuso sexual que se suicidou atrás das grades, foi o resultado de "uma tempestade perfeita de asneiras".

William Barr: Suicídio de Jeffrey Epstein foi resultado de vários erros
Notícias ao Minuto

14:36 - 22/11/19 por Lusa

Mundo Jeffrey Epstein

Em entrevista à agência Associated Press, William Barr confessou que teve dúvidas iniciais sobre as reais condições da morte do empresário financeiro, que foi acusado de contratar mulheres e meninas menores para prestar serviços sexuais num círculo social de elite e que apareceu morto na sua cela, em 10 de agosto deste ano.

O procurador-geral explicou que as dúvidas se prenderam com as inúmeras irregularidades que detetou na prisão de Manhattan, um dos estabelecimentos prisionais mais seguros dos Estados Unidos, onde Epstein esteve detido entre 06 de julho e 10 de agosto, depois de ter sido condenado por dois crimes de abuso sexual.

William Barr disse agora que se sente esclarecido, após uma investigação do FBI e do inspetor-geral do Departamento de Justiça, que revelou a existência de um conjunto de erros cometidos pelos serviços prisionais, que permitiram a Epstein suicidar-se na cela.

"Eu entendo as pessoas que, de imediato, pensaram no pior cenário, porque se tratou de uma tempestade perfeita de asneiras", disse Barr, durante um voo entre Washington e o Estado de Montana.

O comentário de Barr acontece dias depois de dois agentes penitenciários, responsáveis pela guarda do empresário quando ele morreu, terem sido acusados de falsificar os registos da prisão.

Tova Noel e Michael Thomas são acusados de terem adormecido e de estarem distraídos a navegar na Internet, quando estavam de serviço de guarda à cela de Epstein.

O empresário suicidou-se enquanto aguardava julgamento por dois crimes de abuso sexual de meninas de 14 anos e de mulheres, de Nova Iorque e da Florida, no início dos anos 2000.

As investigações entretanto conduzidas concluíram que o suicídio do empresário poderia ter sido evitado, se não fosse o descuido dos guardas prisionais.

Epstein já tinha sido colocado em vigilância apertada, depois de ter sido encontrado no chão da cela, em 23 de julho, com hematomas no pescoço, sinal de tentativa de suicídio, e os investigadores do caso concluíram que essa observação intensificada falhou no dia da sua morte.

Os advogados dos agentes do estabelecimento prisional já responderam dizendo que os seus clientes estão a ser usados como "bodes expiatórios" das falhas nos sistemas de segurança da prisão de Manhattan.

"Penso que era importante que Epstein tivesse tido um colega de quarto e estamos ainda a investigar por que isso não foi feito", afirmou hoje William Barr, garantindo que as investigações sobre o suicídio do empresário vão continuar.

"Estamos a progredir e espero que haja conclusões finais muito em breve", disse o procurador-geral dos EUA.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório