Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Pelo menos 10 palestinianos mortos em operações do exército israelita

Pelo menos dez palestinianos morreram hoje em operações do exército israelita na Faixa de Gaza, um enclave controlado pelo Hamas, anunciou hoje o Ministério da Saúde deste movimento palestiniano.

Pelo menos 10 palestinianos mortos em operações do exército israelita
Notícias ao Minuto

21:33 - 12/11/19 por Lusa

Mundo Conflito

As últimas mortes confirmadas foram as de três pessoas durante um ataque de Israel a várias posições do grupo da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza, referiu o ministério.

Entre as mortes confirmadas no dia de hoje está também a de um comandante da Jihad Islâmica, e a sua mulher, durante as operações militares na Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, outro movimento islamita.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, disse que o comandante do braço armado da Jihad Islâmica morto num ataque aéreo estava a planear um novo ataque.

No final de uma reunião de emergência do Gabinete de Segurança israelita, Netanyahu indicou que Baha Abu al-Ata, das Brigadas Al-Quds, o braço armado da Jihad Islâmica, era a força motriz por trás de recentes ataques contra Israel e uma "bomba-relógio".

O ataque israelita que matou Al-Ata, 42 anos, e a sua mulher, provocou o disparo de "aproximadamente 50 projéteis" da Faixa de Gaza para Israel, segundo as forças armadas do Estado hebreu.

Jonathan Conricus, um porta-voz militar, disse aos jornalistas que Al-Ata foi responsável por vários recentes ataques de foguetes contra o sul de Israel.

"Na última semana estivemos à espera do momento oportuno para realizar este ataque cirúrgico", referiu, adiantando que o bombardeamento atingiu apenas o andar do edifício onde se encontrava Al-Ata para minimizar os "danos colaterais".

Num ataque aéreo semelhante, um dos filhos de um outro comandante da Jihad Islâmica morreu hoje na capital da Síria, Damasco. O grupo extremista acusou Israel, que ainda não confirmou o ataque.

União Europeia, Estados Unidos, Japão, Austrália e Israel consideram a Jihad Islâmica um grupo terrorista, que defende a destruição do Estado israelita e a criação de um Estado islâmico na Palestina.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório