Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

Catalunha. Pedro Sánchez propõe penalizar legalmente referendos

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, propôs hoje a proibição de referendos nas regiões autónomas, referindo-se à situação na Catalunha que considera ser uma crise de convivência.

Catalunha. Pedro Sánchez propõe penalizar legalmente referendos

No único debate entre os líderes dos cinco principais partidos políticos espanhóis que está a ser emitido pela televisão pública, o presidente do executivo, em funções, e também líder do PSOE disse que o partido, se vencer as eleições de domingo, vai propor a alteração do Código Penal no sentido de proibir os referendos nas regiões autónomas.

Pedro Sánchez considera que a crise na Catalunha é de "convivência e não é uma crise de independência", e apresenta três medidas a aplicar no futuro, como a proibição da realização de referendos (ilegais), e a adoção de uma disciplina no currículo escolar sobre valores civis e valores éticos.

Outra das medidas propostas pelo líder do PSOE e presidente do governo em funções diz respeito às televisões locais ("entidades audiovisuais") que, segundo Sánchez, devem ser aprovadas por dois terços dos parlamentos autonómicos para evitar a manipulação da informação.

Em resposta, Pablo Casada (PP) e o líder da extrema-direita (Vox), Santiago Abascal, recordaram que foi o antigo primeiro-ministro socialista José Rodríguez Zapatero quem eliminou a lei que "penalizava a realização de referendos".

O dirigente do partido Ciudadanos, o catalão Albert Ribera, exibiu um bloco de cimento para se referir aos confrontos na Catalunha.

"Isto não é um pedaço do Muro de Berlim, é um bloco lançado às autoridades em Barcelona", disse, responsabilizando o PSOE e o PP pela situação de violência na Catalunha.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório