Meteorologia

  • 18 NOVEMBRO 2019
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Ex-Presidente do Chile pede diálogo entre Governo e sociedade civil

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, a ex-Presidente chilena Michelle Bachelet, apelou hoje ao diálogo entre o Governo e a sociedade civil para "acalmar a situação" no Chile, após vários dias de violência e distúrbios.

Ex-Presidente do Chile pede diálogo entre Governo e sociedade civil
Notícias ao Minuto

17:45 - 21/10/19 por Lusa

Mundo Chile

O Chile é palco desde sexta-feira de protestos, que degeneraram em violência, contra o aumento do preço dos transportes na capital, Santiago do Chile, e outros problemas sociais. O balanço mais recente, hoje divulgado, dá conta que 11 pessoas morreram e várias dezenas ficaram feridas desde o início desta vaga de contestação social.

"Exorto o Governo a trabalhar com todos os setores da sociedade para procurar soluções que contribuam para acalmar a situação e para tentar resolver as queixas da população no interesse da nação", afirmou Michelle Bachelet, que assumiu em duas ocasiões a Presidência do Chile (2006-2010 e 2014-2018).

Bachelet, que foi designada Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos no verão de 2018, também defendeu que todos os atos de violência registados nos últimos dias devem ser investigados.

"Estou profundamente perturbada e triste ao ver a violência, a destruição, as mortes e os ferimentos que ocorreram no Chile", disse Bachelet, frisando: "É essencial que todas as ações que provocaram ferimentos ou morte, tanto por parte das autoridades como dos manifestantes, sejam submetidas a investigações independentes, imparciais e transparentes".

As manifestações no Chile decorrem desde sexta-feira em protesto contra um aumento (entre 800 e 830 pesos, cerca de 1,04 euros) do preço dos bilhetes de metro em Santiago do Chile, que possui a rede mais longa (140 quilómetros) e mais moderna da América do Sul, e que transporta diariamente cerca de três milhões de passageiros.

O Presidente chileno, Sebastián Piñera, decretou na sexta-feira o estado de emergência para 15 dias na capital, com sete milhões de habitantes, e no dia seguinte anunciou a suspensão do aumento do preço dos bilhetes de metro.

Mas, e apesar do recuo das autoridades, as manifestações e os confrontos prosseguiram também devido à degradação das condições sociais e às desigualdades neste país, onde as áreas da saúde e educação são quase totalmente controladas pelo setor privado.

Dezenas de supermercados, veículos e estações de serviço foram saqueados ou incendiados. Os autocarros e as estações de metro registaram importantes danos.

Em declarações divulgadas hoje de madrugada pelas agências internacionais, o Presidente Sebastian Piñera afirmou que o Chile está "em guerra com um inimigo poderoso".

"Estamos em guerra com um inimigo poderoso, implacável, que não respeita nada e nem ninguém e que está pronto a usar a violência e a delinquência sem qualquer limite", declarou o chefe de Estado chileno, que disse na mesma ocasião que "a democracia tem a obrigação de se defender".

Nas declarações hoje divulgadas, a Alta Comissária da ONU alertou que "o uso de retórica inflamada servirá apenas para agravar ainda mais a situação, arriscando criar medo generalizado".

"As autoridades devem agir em estrita conformidade com os padrões internacionais de direitos humanos e qualquer aplicação do estado de emergência deve ser excecional e ter como base a lei", concluiu Bachelet.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório