Meteorologia

  • 17 NOVEMBRO 2019
Tempo
17º
MIN 11º MÁX 17º

Edição

MNE francês pede reunião da coligação contra Estado Islâmico

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, pediu hoje uma reunião da coligação internacional contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI), que inclui os EUA e a Turquia, para discutir a situação no nordeste sírio.

MNE francês pede reunião da coligação contra Estado Islâmico
Notícias ao Minuto

19:03 - 15/10/19 por Lusa

Mundo Síria

Em declarações na Assembleia Nacional, Le Drian revelou que vai deslocar-se ao Iraque para discutir com as autoridades iraquianas e os curdos sobre a "segurança" dos campos de detenção onde se encontram os 'jihadistas' estrangeiros, num momento em que há noticias de fugas de extremistas.

A França, entre outros países europeus, discute há vários meses um "mecanismo jurisdicional internacional" no Iraque para julgar 'jihadistas' estrangeiros detidos na Síria.

Uma dúzia de 'jihadistas' franceses mantidos pelas forças curdo-sírias foram transferidas para o Iraque no final de janeiro para serem julgados.

O Iraque prevê a pena de morte para quem ajudou uma organização extremista, sendo que as autoridades francesas se opõem a qualquer repatriamento de 'jihadistas' franceses, exigindo o seu julgamento no local em que "cometeram os crimes".

Le Drian adiantou também que o Governo francês está em diálogo com os curdos na Síria, que foram os principais aliados da coligação liderada pelos Estados Unidos para derrotar o EI.

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês reconheceu que "há algum conflito" na relação entre a União Europeia e os EUA, e "é por isso que a coligação precisa de se reunir", pedindo aos Estados Unidos e à Turquia que assumam responsabilidades e digam aos aliados como pretendem continuar a lutar contra o grupo 'jihadista'.

A ofensiva turca lançada a 9 de outubro contra a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG), grupo que a Turquia considera terrorista, mas que é apoiado pelos ocidentais para combater o EI, suscita receios pela fuga e libertação de 'jihadistas' estrangeiros detidos na região.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório