Meteorologia

  • 22 NOVEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Do tempo a esgotar-se à infância e sonhos roubados: "Como se atrevem?"

O secretário-geral da ONU, António Guterres, avisou esta segunda-feira os líderes mundiais que ainda "não é demasiado tarde" para fazer face às alterações climáticas, mas que o tempo se está a esgotar. Greta Thunberg foi convidada para discursar na cimeira e o que fez foi perguntar aos líderes mundiais como é que se atreveram a roubar-lhe os sonhos e a infância.

Do tempo a esgotar-se à infância e sonhos roubados: "Como se atrevem?"
Notícias ao Minuto

08:20 - 24/09/19 por Notícias Ao Minuto com Lusa

Mundo Clima

"A emergência climática é uma corrida que estamos a perder mas que ainda podemos ganhar. A crise climática é provocada por nós e as soluções devem vir de nós. Temos as ferramentas: a tecnologia está do nosso lado", afirmou Guterres perante dezenas de líderes internacionais ao abrir a Cimeira da Ação Climática, que decorreu esta segunda-feira na sede da ONU.

Vista como forma de dar um novo fôlego ao Acordo de Paris, alcançado em dezembro de 2015, a cimeira convocada por António Guterres já deu os seus frutos. Respondendo ao apelo de Guterres 66 países subscreveram o princípio da neutralidade carbónica em 2050, comprometendo-se a não produzir nessa altura mais gases com efeito de estufa do que aqueles que conseguirem absorver. Até agora só uma vintena de países (Portugal foi o primeiro) o tinha feito.

O anúncio foi feito na manhã de segunda-feira na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, mas nem isso tirou o ceticismo da ativista Greta Thunberg, a jovem sueca que ficou mundialmente conhecida por fazer no seu país greves contra a inação do governo na luta contra as alterações climáticas. A jovem foi convidada para discursar na cimeira e o que fez foi perguntar aos líderes mundiais como é que se atreveram a roubar-lhe os sonhos e a infância.

"Como é que se atrevem? Vocês roubaram-me os sonhos e a infância com as vossas palavras vazias", disse a jovem defensora do ambiente em Nova Iorque no início da Cimeira da Ação Climática, convocada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres.

"Eu não devia estar aqui, eu devia estar na escola, do outro lado do oceano", afirmou, emocionada, a jovem que lançou o movimento Greve Mundial pelo Clima quando em 2018 decidiu faltar às aulas para protestar junto ao parlamento sueco contra a inação dos políticos em questões ambientais.

Greta Thunberg falou das provas científicas sobre as alterações climáticas, das extinções de espécies e destruição de ecossistemas, e acusou os dirigentes do mundo de só falarem de dinheiro e do crescimento económico.

"Vocês deixaram-nos cair. Mas os jovens começam a compreender a vossa traição", disse Greta Thunberg, acrescentando: "Se vocês decidiram deixar-nos cair, eu digo-vos: nós nunca vos iremos perdoar. E não deixaremos que vocês se vão embora assim".

"O mundo está a acordar e a mudança a chegar, quer vocês gostem ou não. Obrigado", concluiu a jovem, muito aplaudida.

A cimeira precedeu a Assembleia-geral da ONU e dezenas de chefes de Estado e de Governo estiveram presentes. O Presidente dos Estados Unidos, que já disse que não acredita na influência humana nas alterações climáticas e anunciou a saída do Acordo de Paris, sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa sobre o clima, assinado por 195 países, esteve presente na sala onde decorre a cimeira mas apenas por alguns instantes, ainda que não fosse sequer esperado.

Numa cimeira marcada pela ausência de outros países como a Austrália ou o Brasil é assinalada a presença da China ou da Índia, duas grandes economias mundiais e grandes produtores de gases com efeito de estufa.

O Presidente francês, Emmanuel Macron anunciou que programas de proteção das florestas tropicais no valor de 500 milhões de dólares vão ser criados pelo Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento e pela organização Conservação Internacional.

Macron prometeu que as últimas centrais a carvão de França serão encerradas até 2022 e elogiou a Rússia, que anunciou esta segunda-feira a ratificação do acordo de Paris.

"O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, assinou uma resolução governamental sobre a adoção pela Rússia do Acordo de Paris sobre o clima", anunciou o Governo russo na sua página oficial pouco antes da abertura da Cimeira da Ação Climática.

E nas Nações Unidas mas por videoconferência o Papa Francisco pediu "verdadeira vontade política" para enfrentar as alterações climáticas, considerando que os compromissos globais "ainda são muito fracos".

Por esse motivo, pela falta de ação dos líderes políticos nos Estados Unidos, ativistas ambientais manifestaram-se em Washington, respondendo ao apelo de um movimento que pretendia "bloquear" a capital norte-americana para denunciar a crise climática e a falta de ação.

O movimento Extinction Rebellion (XR) colocou um pequeno barco a bloquear uma rua, para simbolizar a subida do nível do mar que, de acordo com o XR, ameaça a capital dos EUA, banhada pelo rio Potomac.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório