Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2019
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Jovens saem às ruas em Maputo para gritar "stop xenofobia"

Algumas dezenas de jovens moçambicanos marcharam hoje em Maputo contra a onda de violência xenófoba na África do Sul, uma iniciativa que faz parte de uma campanha designada "unidos contra a xenofobia" e junta várias organizações não governamentais moçambicanas.

Jovens saem às ruas em Maputo para gritar "stop xenofobia"
Notícias ao Minuto

12:20 - 21/09/19 por Lusa

Mundo Maputo

A marcha iniciou-se às primeiras horas da manhã na Praça da Independência, quando dezenas de pessoas se reuniram ao lado da estátua do primeiro Presidente de Moçambique independente, Samora Machel.

"O que nós queremos é mostrar o nosso repúdio e indignação, ao mesmo tempo, expressar a nossa solidariedade para com os nossos irmãos que estão a sofrer com estes ataques. Esperávamos por mais pessoas, mas mesmo com as poucas que cá estão vamos perseguir", disse Lucília de Fátima, coordenadora geral da organização não governamental Kibatsira, que coordenou a marcha.

Empunhando cartazes com mensagens de repúdio à xenofobia, o grupo, composto maioritariamente por jovens, entoava hinos de exaltação à união dos africanos, marchando pela capital num percurso de pouco mais de dois quilómetros, sob escolta de contingente policial, que impediu o grupo de ir até à embaixada sul-africana em Maputo.

"A nossa intenção era ir até à embaixada sul-africana e o Município autorizou, como atesta o documento que temos. Mas a polícia diz que só podemos ir à estátua Eduardo Mondlane. Isso fere o nosso objetivo porque queríamos entregar uma carta ao embaixador e ele estava à nossa espera", lamentou a ativista moçambicana Mangia Macuacua.

O grupo ainda tentou fazer o percurso definido preliminarmente, mas a Polícia moçambicana bloqueou o caminho, obrigando os manifestantes a seguirem na direção contrária, para a estátua Eduardo Mondlane, a pouco mais de três quilómetros da embaixada sul-africana.

"Não faz sentido mobilizar um aparato policial para nos impedir de marchar até a embaixada da África do Sul. Eles dizem que não podemos porque a embaixada é um órgão soberano, mas onde está a nossa soberania como Estado moçambicano quando os nossos irmão morrem", questionou David Fardo, presidente do Parlamento Juvenil, um movimento de advocacia em prol dos direitos e prioridades da juventude.

Desde 01 de setembro, pelo menos 12 pessoas morreram, entre as quais um estrangeiro, cuja nacionalidade não foi revelada, segundo informações oficiais.

De acordo com dados do Ministério dos Negócios Estrangeiros moçambicano, mais de 400 moçambicanos na África do Sul manifestaram interesse em regressar ao país desde os primeiros episódios de xenofobia, um grupo em que apenas 138 recorreram ao apoio do Estado para voltar a Moçambique.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório