Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Rei não propõe candidato e Espanha encaminha-se para novas eleições

O rei Felipe VI constata que Pedro Sánchez não tem apoios para uma investidura. Cenário de eleições aproxima-se a passos largos, mas até ao final da semana ainda há esperança, embora escassa.

Rei não propõe candidato e Espanha encaminha-se para novas eleições

Após nova ronda de consultas pelos partidos com assento parlamentar para tentar desbloquear o impasse político que dura desde abril, o rei de Espanha decidiu não propor qualquer candidato para ser investido como primeiro-ministro e tentar formar governo. Desta forma, Espanha está a caminho de novas eleições - as quartas nos últimos quatro anos.

Na manhã desta terça-feira, Pedro Sánchez (PSOE) ainda falou ao telefone com os líderes dos três maiores partidos para saber a sua decisão sobre a investidura. No entanto, Ciudadanos e PP mantiveram a rejeição à investidura, e o Unidas Podemos confirmou a sua abstenção.

O rei Felipe VI reuniu-se com a presidente do parlamento, Meritxell Batet, uma vez finda a ronda de conversações com os partidos - que terminou com Pedro Sánchez - para lhe comunicar a sua decisão de propor um candidato para tentar formar governo, ou se, pelo contrário, considerava que não há condições para que tal acontecesse, como foi o caso. 

"Sua Majestade o Rei, depois de receber a informação que lhe passaram os representantes designados pelos grupos políticos com representação parlamentar que compareceram às consultas, constatou que não existe um candidato que conte com os apoios necessários para que o parlamento, no seu caso, lhe dê a sua confiança", pode ler-se num comunicado emitido pela Casa Real espanhola.

Felipe VI "comunicou à senhora presidente do parlamento, Meritxell Batet, que não formula uma proposta de candidato à presidência do governo", acrescenta o curto comunicado.

Resta agora a Pedro Sánchez apenas uma semana - até à próxima segunda-feira 23 de setembro - para tentar um acordo de última hora para formar um governo aprovado pelo parlamento. Mas se tal não acontecer, como tudo indica, o rei Felipe VI será obrigado a dissolver o parlamento e a marcar eleições para 10 de novembro.

E... Pablo e Sánchez prosseguem com o 'passa-culpas'

Em reação à decisão do Rei, Pablo Iglesias culpou o líder do PSOE pelo desfecho. "Pedro Sánchez teve o mandato para formar governo. Não quis. A arrogância e o desprezo pelas regras básicas de uma democracia parlamentar impuseram-se à sensatez", escreveu no Twitter. "Comete um erro histórico de enormes dimensões por uma obsessão de ter o poder absoluto que os espanhóis não lhe deram", pode ler-se.

A partir do Palácio de Moncloa, Sánchez garantiu: "Tentei por todos os meios [chegar a acordo] mas fizeram com que fosse impossível", cita o El País.

"Tentei formar o governo que penso que Espanha necessita perante os desafios que estão por vir. Espanha não precisa de um governo para uma investidura, mas sim de um governo para a legislatura", continuou.

[Notícia atualizada às 21h]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório