Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 15º

Edição

Rei de Espanha inicia (nova) ronda para evitar repetição de eleições

O Rei de Espanha inicia hoje uma ronda de dois dias de consultas com os partidos com assento parlamentar para tentar desbloquear o atual impasse político e evitar a marcação de eleições para 10 de novembro.

Rei de Espanha inicia (nova) ronda para evitar repetição de eleições
Notícias ao Minuto

08:36 - 16/09/19 por Lusa

Mundo Espanha

Felipe VI vai receber 15 líderes partidários por ordem da sua representação parlamentar, terminando na terça-feira, ao fim da tarde, com Pedro Sánchez, secretário-geral do maior partido, o PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), e atual chefe do Governo de gestão.

Depois de ver os representantes de todos os partidos, Felipe VI terá um encontro com a presidente do parlamento, Meritxell Batet, a quem irá comunicar se vai propor um candidato para tentar formar Governo, ou se, pelo contrário, considera que não há condições para que isso aconteça.

Pedro Sánchez parece ser a única alternativa possível, depois de em junho e julho últimos, o parlamento já ter chumbado uma primeira tentativa dos socialistas.

Se até daqui a uma semana, segunda-feira 23 de setembro, não houver um novo Governo aprovado pelo parlamento, Felipe VI será obrigado a dissolver a assembleia e a marcar eleições para 10 de novembro próximo.

Um mês e meio depois de ter sido rejeitado pelo parlamento, Pedro Sánchez continua sem conseguir encontrar os apoios necessários à sua investidura, nomeadamente do partido do Unidas Podemos (extrema-esquerda).

O PSOE defende um compromisso "à portuguesa" -- acordo parlamentar com Governo exclusivamente socialista -, enquanto o Unidas Podemos quer uma coligação governamental que tenha ministros da extrema-esquerda.

Face à recusa dos socialistas em aceitar um executivo de coligação, o líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, explicou na passada sexta-feira que tinha proposto um "Governo de coligação temporário" até à aprovação do Orçamento Geral do Estado.

A extrema-esquerda poderia em seguida sair da coligação, no caso de Sánchez considerar que a fórmula não resultava, ao mesmo tempo que continuaria a dar o seu apoio parlamentar.

No mesmo dia, esta proposta foi qualificada de "absurda" pela porta-voz do Governo de Sánchez.

O PSOE foi o partido mais votado nas eleições de 28 de abril último, mas, com menos de 30% dos votos, precisa do apoio de outras formações políticas, sendo essencial o apoio do Unidas Podemos.

As sondagens indicam que, em caso de repetição de eleições, o PSOE iria aumentar a percentagem de apoio, mas continuaria a precisar do apoio de outras formações para formar Governo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório