Meteorologia

  • 12 ABRIL 2021
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 22º

Edição

Cientistas pedem fim da perseguição penal de manifestantes de Moscovo

Um grupo de mais de 50 cientistas russos divulgou hoje uma carta aberta às autoridades da Rússia pedindo que acabe a perseguição penal de alguns dos participantes nos recentes protestos da oposição em Moscovo.

Cientistas pedem fim da perseguição penal de manifestantes de Moscovo
Notícias ao Minuto

16:55 - 22/08/19 por Lusa

Mundo Moscovo

"Nós, cientistas russos que trabalhamos em universidades e centros de investigação, tanto na Rússia como no estrangeiro, estamos muito indignados com a perseguição criminal dos participantes em protestos pacíficos relacionados com as eleições para a Duma (assembleia legislativa) de Moscovo", refere a carta publicada em vários 'media' russos.

Os cientistas sublinham que a sua profissão é "incompatível com a mentira grosseira, a manipulação dos factos e a perseguição das vozes dissidentes".

A oposição russa tem vindo a protestar na capital todos os fins de semana desde meados de julho contra a rejeição dos seus candidatos às eleições locais que se vão realizar a 08 de setembro.

Trata-se de um dos mais poderosos movimentos de protesto desde o regresso de Vladimir Putin ao Kremlin em 2012.

A maioria das manifestações, não autorizadas, foram severamente reprimidas pela polícia.

Mais de 2.000 pessoas foram detidas e mais de 100 ficaram presas e a quase totalidade das figuras da oposição cumpre atualmente pequenas penas de prisão.

Para os cientistas, os protestos devem-se a uma "clara fraude" no registo dos candidatos às eleições locais, que deixou de fora os representantes da oposição extraparlamentar.

"Observamos com preocupação que a rejeição da mentira na Rússia pode resultar numa responsabilidade penal", dizem os cientistas, criticando as "repressões políticas" justificadas por acusações "absurdas" como "distúrbios em massa" e "ingerência externa".

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse hoje que ainda não viu a carta dos cientistas, mas assegurou que, "obviamente, a sua posição será tida em conta".

Na segunda-feira, a câmara baixa do parlamento russo anunciou a criação de uma comissão para investigar uma "ingerência estrangeira" na política interna da Rússia, após os protestos governamentais que diz mostrarem envolvimento ocidental.

A Rússia já fez advertências aos Estados Unidos e à Alemanha, acusados de apoiarem as recentes ações da oposição, e o presidente da Duma, Viatcheslav Volodine, indicou que os diplomatas e jornalistas estrangeiros suspeitos de "ingerência" serão convidados a explicar-se na comissão.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório