Meteorologia

  • 22 AGOSTO 2019
Tempo
27º
MIN 26º MÁX 30º

Edição

PSP de Macau nega protesto contra violência policial em Hong Kong

A PSP de Macau proibiu a realização de um protesto no território contra a violência policial em Hong Kong, disse hoje a força de segurança, em resposta à agência Lusa.

PSP de Macau nega protesto contra violência policial em Hong Kong
Notícias ao Minuto

13:54 - 15/08/19 por Lusa

Mundo China

A PSP alegou que não podia autorizar uma iniciativa de apoio ao que considerou serem "atos ilegais" como os ocorridos em Hong Kong.

Autorizar a realização de uma manifestação desta natureza, sublinhou a PSP, em comunicado, "poderia enviar uma mensagem errada à sociedade de Macau", com as pessoas a poderem vir a expressar as suas reivindicações em oposição à lei do território, com previsível impacto na segurança pública e no Estado de Direito.

A PSP referiu-se aos confrontos ocorridos em Hong Kong, entre manifestantes antigovernamentais e as forças de segurança, como "atos de alguns manifestantes radicais" que afetaram a ordem social e o Estado de direito na região administrativa especial chinesa.

A manifestação estava agendada para segunda-feira a partir das 20:00 (13:00 em Lisboa).

O cartaz de divulgação da vigília que circula nas redes sociais não identifica o autor, associação ou entidade que estava a tentar organizar o evento marcado para um dia depois da manifestação prevista no domingo, em Hong Kong, contra a violência policial e que é promovida pela Frente Cívica de Direitos Humanos.

Os protestos em Hong Kong, que duram há mais de dois meses, têm sido marcados por violentos confrontos entre manifestantes e a polícia.

A questão da brutalidade policial em Hong Kong começou após os protestos de 12 de junho, na sequência de uma intervenção das forças de segurança que usaram pela primeira vez gás lacrimogéneo e balas de borracha, uma prática que, entretanto, se vulgarizou.

A realização de um inquérito independente à atuação da polícia é uma das cinco reivindicações que constam da lista dos manifestantes e da Frente Cívica de Direitos Humanos, movimento que agrupa 15 organizações não-governamentais e partidos políticos.

Na terça-feira, o Governo de Hong Kong anunciou que vai avançar com um inquérito formal para investigar as circunstâncias nas quais uma enfermeira foi atingida gravemente num olho, em frente à esquadra de Tsim Sha Tsui, no domingo passado, e que se tornou já num símbolo para os manifestantes da brutalidade policial. Nos últimos protestos, no aeroporto internacional de Hong Kong, os manifestantes usaram palas tingidas de vermelho nos olhos.

Hong Kong vive um clima de contestação social desde a apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações generalizaram-se e denunciam agora uma "erosão das liberdades" no território semiautónomo chinês.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório