Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2019
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 26º

Edição

E o novo primeiro-ministro britânico é... Boris Johnson

O antigo mayor de Londres é o novo líder do partido Conservador.

E o novo primeiro-ministro britânico é... Boris Johnson

Boris Johnson foi eleito esta terça-feira como líder do Partido Conservador e primeiro-ministro britânico. Depois de várias rondas de votações, o antigo mayor de Londres, de 55 anos, e o seu opositor, o atual ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt, passaram um mês a tentar convencer os afiliados do partido a escolhê-los como líder, mas o vencedor e novo chefe de governo é o controverso Boris Johnson.

O anúncio foi feito por Cheryl Gillan da comissão eleitoral do Comité 1922 e Johnson ganhou a Hunt com 66% dos votos (92.153 votos) contra 34% (46.656 votos), com uma taxa de participação de 87.4%.

Durante o discurso da vitória, Boris Johnson começou por prestar homenagem ao seu rival Jeremy Hunt classificando-o como "um opositor absolutamente formidável" e que irá "roubar" as suas políticas "no futuro" e acrescentou ainda que foi um "privilégio" servir Theresa May. "Foi um privilégio servir no seu governo e ver a paixão e determinação que ela trouxe para as muitas causas que são o seu legado, como o pagamento igual para homens e mulheres, o combate aos problemas de saúde mental e a discriminação racial no sistema de justiça criminal", enumerou.

O novo líder dos Conservadores reconheceu que a sua eleição não será universalmente bem recebida. "Sei que há pessoas que vão questionar a sensatez da vossa decisão", assumiu. "Hoje neste momento crucial da nossa história temos de conciliar dois tipos de instintos", referindo que esses se situam entre a "amizade" com os aliados europeus e "um desejo simultâneo por um auto-governo democrático neste país", refutando a possibilidade de os dois serem "irreconciliáveis".

"Vamos energizar este país! Vamos concretizar o Brexit em 31 de outubro e vamos aproveitar todas as oportunidades que ele vai trazer com um novo espírito de poder é querer", garantiu. Prometeu "trabalhar incansavelmente" com uma equipa que vai formar nos próximos dias "para retribuir" a confiança dos eleitores, rematando que "a campanha terminou e o trabalho começa agora".

Eis o momento do anúncio do vencedor: 

Conhecido por ter protagonizado a campanha para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) no referendo de 2016, tem sido um dos críticos mais proeminentes da estratégia do governo para o Brexit, tendo prometido aplicar a saída até ao prazo de 31 de outubro. Admite uma saída sem acordo, mas terá dificuldade em conseguir fazer passar esta hipótese no parlamento devido à divergência dos partidos da oposição e também de vários deputados do próprio partido Conservador, que atualmente só tem uma maioria de três deputados.

Desde a sua vitória eminente já enfrentou três demissões. Inicialmente a do secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, Alan Duncan, apresentou a demissão de funções e a da ministra da Educação, Anne Milton, ambos invocando incompatibilidade com Boris Johnson. Logo depois da sua eleição foi conhecida o pedido de demissão do ministro da Justiça, David Gauke.

Amanhã à tarde, Theresa May será recebida pela Rainha Isabel II a quem irá entregar oficialmente o pedido de demissão para dar lugar ao sucessor. Pouco depois o lugar vai ser assumido pelo novo líder dos Conservadores, após uma audiência no Palácio de Buckingham, onde Sua Majestade lhe fará o convite para formar um novo governo.

As reações à sua vitória extenderam-se um pouco por toda a parte. A atual primeira-ministra Theresa May felicitou o seu sucessor, prometendo "todo o apoio" para concretizar o Brexit e apelou a que trabalhassem juntos "para manter Jeremy Corbyn fora do governo".

Também Corbyn foi um dos primeiros a reagir à eleição de Boris Johnson, mas em tom de crítica. O trabalhista sublinhou que o novo líder dos conservadores tinha ganho o "apoio de menos de 100 mil membros do Partido" e reivindicou eleições antecipadas.

As felicitações seguintes vieram dos Estados Unidos onde Donald Trump recorreu ao Twitter para dizer que Johnson será um "ótimo" primeiro-ministro.

Na União Europeia, o responsável europeu pelas negociações do Brexit, Michel Barnier, referiu que a UE quer "trabalhar de forma construtiva" com o próximo primeiro-ministro britânico, para chegar a uma "saída ordenada" do Reino Unido. Já o vice-presidente Frans Timmermans deu conta de que espera que a mensagem de que o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) é "o melhor possível" seja "entendida em Westminster".

O presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker indicou estar preparado para trabalhar "da melhor maneira possível" com o novo primeiro-ministro britânico, uma mensagem partilhada também pela presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

O presidente francês, Emmanuel Macron, também congratulou Boris Johnson mostrando-se "muito desejoso em trabalhar" com o próximo primeiro-ministro do Reino Unido.

Do Irão surgem os parabéns mas com um alerta. O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohamad Javad Zarif felicita Boris Johnson mas alertou que o país vai defender as suas águas no Golfo Pérsico. Recorde-se que a tensão entre o Irão e o Reino Unido aumentou desde a captura, na sexta-feira passada, de um navio-tanque britânico no Estreito de Ormuz pela Guarda Revolucionária Iraniana.

[Notícia atualizada às 14h47 com reações e novas informações]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório