Meteorologia

  • 26 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Pessoal da segurança de Notre Dame demorou 30 minutos a chamar bombeiros

Um alegado erro do pessoal responsável pela segurança atrasou a chamada dos bombeiros em 30 minutos para o incêndio que ocorreu na catedral de Notre Dame, em Paris, divulgou hoje o jornal New York Times.

Pessoal da segurança de Notre Dame demorou 30 minutos a chamar bombeiros

Segundo o jornal, que garante ter efetuado várias entrevistas e que analisou centenas de documentos, o primeiro alerta de "fogo" surgiu no painel de controlo do monumento às 18:18 locais, no dia 15 de abril.

O alerta levou o funcionário da segurança a entrar em contacto, através de um intercomunicador, com um guarda para verificar a situação, mas este foi para um local errado e, em vez de verificar o estado da cobertura da catedral, como deveria, foi verificar a cobertura de um edifício adjacente, a sacristia.

Este erro, que o jornal diz não se saber se foi o resultado de uma confusão na interpretação do painel de controlo, ou se o guarda não percebeu bem o local para onde ir, levou a pensar inicialmente que se tratava de um falso alarme.

Finalmente, 25 minutos depois de ter sido descartado o incêndio, uma das pessoas encarregadas das instalações deu a ordem para se ir investigar o estado da cobertura da catedral, "uma margem de tempo durante a qual o fogo havia avançado muito rapidamente", numa zona com muita madeira antiga.

O New York Times também aponta que Notre Dame "esteve mais perto do colapso do que as pessoas sabem", e apontou a bravura e dedicação dos bombeiros como decisivas para que o monumento, de 850 anos de idade, pudesse ser salvo.

"O facto de Notre Dame ainda estar em pé deve-se apenas aos enormes riscos que os bombeiros correram na terceira e quarta hora do incêndio", disse o jornal.

Quando os bombeiros chegaram, já perto das 19:00, em Paris, a catedral já estava tomada pelas chamas.

"É como começar uma corrida de 400 metros várias dezenas de metros atrás", disse o vice-diretor do Corpo de Bombeiros de Paris, Jean-Marie Gontier, ao Times.

O Ministério Público francês anunciou em junho que "nenhum elemento" da investigação preliminar aponta a tese de uma origem criminosa no incêndio que atingiu parte da catedral de Notre Dame, em Paris, em abril.

Outras pistas, são, no entanto, consideradas, incluindo uma avaria do sistema elétrico ou o início de incêndio relacionado com um cigarro mal apagado, explicou o Ministério Público, em comunicado, antes de confiar a continuação das investigações a três juízes de instrução.

Estes juízes têm poderes de investigação mais amplos e, em particular, o poder de acusar eventuais responsáveis de negligência.

Investigadores da brigada criminal realizaram "uma centena de audiências de testemunhas", em particular trabalhadores, guardas e responsáveis de empresas que trabalham no local ou na diocese, "e numerosas constatações".

O incêndio na catedral, em 15 de abril, provocou uma forte emoção e desencadeou um movimento de solidariedade para salvar e restaurar este local emblemático da capital francesa.

O monumento, classificado como património mundial pela Unesco, perdeu o seu pináculo, o telhado e parte da abóbada.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, comprometeu-se em recuperar o monumento num prazo de cinco anos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório