Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2019
Tempo
19º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Nicolás Maduro anuncia exercícios militares para defender a Venezuela

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou hoje que a Venezuela vai realizar vários exercícios militares para testar os planos de defesa do país a 24 de julho, data em que se assinala 236.º aniversário do nascimento do pan-nacionalista Simón Bolívar.

Nicolás Maduro anuncia exercícios militares para defender a Venezuela

"Iremos fazer exercícios militares para defesa do mar das Caraíbas, das costas venezuelanas e da fronteira", disse o chefe de Estado.

Nicolás Maduro falava hoje em Los Próceres, Caracas, durante um desfile militar que comemorou o dia das Forças Armadas Bolivarianas e o 208.º aniversário da assinatura da Ata da Independência da Venezuela do império espanhol (5 de julho de 1811).

"A 24 de julho vamos defender os nossos mares, para manter afinada a máquina militar que garante que a Venezuela continuará o caminho, deste 2019, desde o século XXI, em paz. Paz aos céus, pedimos", disse.

Nicolás Maduro voltou a denunciar planos desestabilizadores do Governo dos Estados Unidos, com "a intervenção e guerra", que, disse, são apoiados pelo presidente da Colômbia, Iván Duque.

"Preparemo-nos para as batalhas que estamos dando. Não tenhamos nem um segundo de descanso. Estamos no lado correto da história e no momento correto para a batalha", disse.

Por outro lado, voltou a chamar os venezuelanos ao diálogo e anunciou que na próxima semana haverá "boas notícias" nesse sentido, sobre as negociações em Oslo, na Noruega.

"Já basta de conspirações (...) de apelos à intervenção militar e à guerra", frisou Nicolás Maduro, assumindo que, com a paz, "é possível procurar soluções para velhos e novos problemas".

"Hoje, 5 de julho, eu apelo à paz e à união (...) estendo a minha mão a todos", disse.

No entanto, advertiu "que ninguém se equivoque com a Venezuela. A Venezuela é e será irrevogavelmente livre, independente e soberana, agora e para sempre".

Por outro lado, a oposição assinalou também esta efeméride, com uma marcha realizada no leste de Caracas, entre as localidades de los Palos Grandes e Boleíta, desde a sede do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) até à sede da Direção Geral de Contrainteligência Militar (DGCIM).

A marcha, que contou com um milhar de pessoas, teve ainda o propósito de protestar contra as torturas alegadamente praticadas por aquele organismo, contra civis e militares que não simpatizam com o regime venezuelano, e para apoiar o relatório divulgado recentemente pela Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, sobre as violações dos Direitos Humanos no país.

Aos manifestantes, a partir de um palco improvisado, o líder opositor e presidente do parlamento, Juan Guaidó, pediu apoio para os próximos passos da oposição, centrados numa mudança de regime e eleições livres.

"Acabou-se o debate. Isto é uma ditadura (...) paradoxalmente estamos marchando pelos militares torturados (...) é difícil, mas vale o risco", disse.

Guaidó apelou aos venezuelanos para que estejam atentos a novas convocatórias, manifestações, e sublinhou que "é o momento de dar um passo".

"Não me desculpo perante o mundo pelas ações que vamos fazer, assumo a minha responsabilidade pelas ações que vamos invocar", disse.

Segundo Guaidó, entre as próximas medidas está a "aprovação de tratados".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório