Meteorologia

  • 25 JUNHO 2019
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Ultimato dos EUA a compra de mísseis russos "contraria espírito" da NATO

O Ministério da Defesa turco considerou hoje que o ultimato escrito dirigido na semana passada por Washington a Ancara sobre a compra pela Turquia de baterias de mísseis S-400 russos é "inadequado" e contrário ao "espírito da Aliança" atlântica.

Ultimato dos EUA a compra de mísseis russos "contraria espírito" da NATO
Notícias ao Minuto

23:36 - 13/06/19 por Lusa

Mundo Turquia

No decurso de um contacto telefónico com o chefe do Pentágono, Patrick Shanahan, o ministro turco, Hulusi Akar, "insistiu na formulação inadequada" do ultimato e considerou que "não está em conformidade com o espírito da Aliança", segundo um comunicado do Ministério da Defesa.

Shanahan dirigiu na sexta-feira uma carta ao seu homólogo turco fornecendo à Turquia um prazo até 31 de julho para renunciar à compra dos sistemas de defesa antiaérea russos S-400, que Washington considera incompatíveis com o novo avião furtivo norte-americano F-35 que Ancara também pretende adquirir.

De acordo com Washington, e caso a Turquia não renuncie até essa data aos S-400, os pilotos turcos que atualmente participam em treinos nos Estados Unidos sobre os F-35 serão expulsos.

O pessoal turco do consórcio internacional que fabrica os F-35 será também substituído e os subcontratos atribuídos a empresas turcas para o fabrico dos F-35 serão anulados.

Os gabinetes do consórcio serão proibidos ao pessoal da Força Aérea turca e os quatro aparelhos já adquiridos pela Turquia, mas que ainda permanecem em território norte-americano, não serão entregues, como referiu na semana passada aos media Ellen Lord, secretária adjunta da Defesa responsável pelas aquisições, tecnologia e logística.

Apesar das advertências dos Estados Unidos, os responsáveis turcos, com o Presidente Recep Tayyip Erdogan na primeira linha, recusam renunciar à compra dos mísseis russos, que devem ser entregues em julho.

Ibrahim Kalin, porta-voz de Erdogan, também se insurgiu contra o ultimato norte-americano, sublinhando que manteve hoje um contacto sobre este diferendo com John Bolton, conselheiro norte-americano para a segurança nacional.

"O facto de a carta [do ultimato] ter sido praticamente divulgada no mesmo momento em que nos foi entregue denota uma falta de seriedade", declarou Kalin, antes de acrescentar que a Turquia vai responder à missiva norte-americana "de uma forma apropriada".

No entanto, Kalin acrescentou que as negociações entre Ancara e Washington prosseguem e apelou aos Estados Unidos para "recuarem na sua atitude" para não "corromper de forma durável" as relações bilaterais.

Ao completar o coro dos protestos turcos, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, afirmou hoje que "ninguém pode dirigir ultimatos à Turquia".

O chefe da diplomacia de Ancara reiterou ainda a proposta turca sobre a formação de um "grupo de trabalho comum" para solucionar o diferendo, assegurando que o Presidente dos EUA Donald Trump era favorável ao projeto, mas que foi rejeitado por "certas instituições" norte-americanas.

Na quarta-feira, o Presidente turco assegurou que não renunciará à compra dos S-400, por se tratar de um negócio já concluído.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório