Meteorologia

  • 20 JUNHO 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 17º

Edição

Migrações: Mais de mil pessoas morreram a tentar fugir da Líbia em 2018

Pelo menos 1.151 pessoas, incluindo crianças, morreram a atravessar o Mediterrâneo e mais de 10.000 foram forçadas a regressar à Líbia em condições de sofrimento, desde que Itália decidiu há um ano fechar os portos a ações humanitárias.

Migrações: Mais de mil pessoas morreram a tentar fugir da Líbia em 2018
Notícias ao Minuto

13:21 - 12/06/19 por Lusa

Mundo ONG

As agências Médicos Sem Fronteiras (MSF) e SOS Mediterrâneo denunciaram hoje o que consideram ser "políticas de migração europeias imprudentes", referindo-se às respostas humanitárias dos governos da União Europeia, em particular de Itália, que tem colocado obstáculos às ações de busca e salvamento no mar Mediterrâneo.

"As respostas dos governos europeus à crise humanitária no mar Mediterrâneo e na Líbia atingiu o seu limite mais baixo", afirmou Annemarie Loof, gestora operacional dos MSF.

A responsável recorda que a sua organização "há mais de um ano que implorou aos governos europeus para colocarem a vida das pessoas antes da política", concluindo que esse apelo foi ignorado.

Os MSF e a organização SOS Mediterrâneo denunciam ainda que os seus operacionais foram impedidos de entrar nos portos italianos, acusando o Governo de Roma de alimentar um "impasse político" à volta das políticas de migração que está a deixar milhares de pessoas desprotegidas.

"Os impasses políticos (...) e a incapacidade para colocar vidas em primeiro lugar é hoje apenas mais chocante, à medida que a guerra continua em Tripoli", denunciou Loof, referindo-se ao agravar dos conflitos na Líbia e à recusa do Governo italiano em procurar uma resposta eficaz.

De acordo com aquelas duas organizações não governamentais, pelo menos 1.151 pessoas já morreram, muitas delas crianças, devido ao impasse político e ao endurecimento de posições por parte de países como a Itália, que está a fechar os portos a operações de busca e salvamento no Mediterrâneo central.

As duas agências dizem que, só nas últimas seis semanas, mais de 3.800 embarcações tentaram atravessar o Mediterrâneo com milhares de pessoas que procuram fugir da Líbia, em condições de elevada fragilidade, muitas delas sendo obrigadas a regressar, em condições de enorme insegurança.

As duas organizações acusam as autoridades europeias de "apoiar esse retorno", sabendo que estão a alimentar "ciclos de exploração, tortura, violência sexual e detenção arbitrária" a que os migrantes ficam sujeitos na Líbia.

"A realidade é que, apesar de haver menos embarcações humanitárias no mar, as pessoas continuam a fazer essa mortal travessia marítima", conclui um documento hoje divulgado pelos Médicos Sem Fronteiras e pela SOS Mediterrâneo.

Estas organizações deixam, por isso, alguns apelos aos governos europeus: que acabem com as ações punitivas às organizações que fornecem assistência humanitária; que retirem apoio político e material ao sistema de regresso forçado de refugiados; que estabeleçam sistemas de desembarque confiáveis, oferecendo locais de segurança para acolher os migrantes sobreviventes das travessias marítimas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório