Meteorologia

  • 23 AGOSTO 2019
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 24º

Edição

Movimento de contestação do Sudão anuncia corte com os militares

O movimento de contestação no Sudão anunciou hoje o corte de "quaisquer contactos políticos" com o Conselho Militar no poder, que acusou de ter dispersado pela força o acampamento de manifestantes em frente ao Quartel-General das Forças Armadas.

Movimento de contestação do Sudão anuncia corte com os militares
Notícias ao Minuto

12:26 - 03/06/19 por Lusa

Mundo Tensão

"Anunciamos o fim de quaisquer contactos políticos e das negociações com o Conselho golpista", indicou em comunicado, citado pela agência France-Presse, a Aliança para a Liberdade e Mudança (ALM), líder do movimento de contestação, apelando à "greve e desobediência civil total e indefinida a partir de hoje".

De acordo com o Comité Central dos Médicos sudaneses, uma organização próxima da contestação, a operação militar de dispersão dos manifestantes fez "pelo menos 13 mortos" e "centenas de feridos". A organização começou por anunciar um primeiro balanço de cinco mortos e depois de nove.

O Conselho Militar desmentiu entretanto ter dispersado "através da força" a manifestação pacífica que há mais de sete semanas se concentrou em frente ao QG.

"Não dispersámos o 'sit-in' pela força", afirmou um porta-voz do Conselho, o general Shamseddin Kabbashi, à estação de televisão Sky News Arabia, baseada nos Emirados Árabes Unidos. "As tendas estão lá e os jovens podem circular livremente", acrescentou.

No seu comunicado, a ALM atribuiu "a responsabilidade total deste crime" aos militares, apelando à "queda do regime".

Em resposta à operação militar, os manifestantes, que há quase dois meses reclamam a passagem do poder para os civis, incendiaram pneus e ergueram pequenas barricadas com tijolos nas ruas de acesso ao local do "sit-in" e noutros eixos da capital.

De acordo com o Comité Central dos Médicos sudaneses, a fonte que está a dar conta do número de mortos até agora, as forças de segurança chegaram a disparar dentro do hospital Charq al Nil, em Cartum, e impediram o acesso a um segundo estabelecimento hospitalar na capital sudanesa, o Royal Care.

As relações entre os dois campos foram ficando cada vez mais tensas após o fracasso das negociações no passado dia 20 de maio, que foi seguido de várias ameaças por parte do Conselho Militar, que dirige o país desde o passado 11 de abril, data da destituição sob a pressão popular do Presidente Omar al-Bashir.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório