Meteorologia

  • 17 AGOSTO 2019
Tempo
28º
MIN 23º MÁX 32º

Edição

Parlamento israelita vota a sua dissolução e vai repetir eleições

O parlamento israelita votou na quarta-feira a sua dissolução, que envia o país para umas inéditas segundas eleições antecipadas este ano, uma vez que o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, falhou em formar um executivo antes do prazo limite (meia-noite).

Parlamento israelita vota a sua dissolução e vai repetir eleições
Notícias ao Minuto

00:37 - 30/05/19 por Lusa

Mundo Israel

O voto parlamentar, menos de dois meses depois das eleições legislativas, marcou uma viragem dramática para Netanyahu, colocando o seu futuro político em causa.

Netanyahu, que tem liderado Israel durante a última década, parecia ter conseguido na eleição de abril os apoios necessários para um quarto mandato. Mas lutas internas entre os seus aliados e desacordos sobre propostas de leis, que iriam proteger Netanyahu de processos judiciais, prejudicaram os seus esforços para criar uma coligação de maioria.

Mais do que admitir que a tarefa fosse entregue a um dos seus rivais, o partido de Netanyahu, o Likud, apresentou uma proposta para dissolver o parlamento e enviar o país às urnas pela segunda vez este ano.

Se o prazo-limite tivesse sido ultrapassado, o Presidente israelita teria dado a oportunidade de criar governo a outro deputado, provavelmente ao líder da oposição, Benny Gantz.

Depois da votação, Gantz, irritado, acusou Netanyahu de ter escolhido a autopreservação em vez de permitir que o processo político seguisse o seu curso.

Gantz afirmou que em vez de seguir o procedimento, Netanyahu optou por "três meses loucos" de uma nova campanha e por desperdiçar milhões de dólares com novas eleições, apesar de estar "legalmente incapacitado" por acusações que incidem sobre si.

"Não há mais qualquer outra razão", disse Gantz.

O partido de Netanyahu, o Likud, ganhou 35 lugares nas eleições de 09 de abril, e os seus aliados nacionalistas e religiosos outros 30, o que lhe parecia garantir uma sólida maioria no parlamento de 120 lugares.

Mas a discórdia entre os seus aliados ultraortodoxos e o partido do antigo ministro da Defesa Avigdor Lieberman, o secular e nacionalista Yisrael Beitenu, provocou um impasse.

Depois da votação, Netanyahu irritado acusou Lieberman de fazer exigências irrealistas e de provocar uma eleição desnecessária.

"Ele está a arrastar o país para mais uma metade de ano com eleições", disse.

O voto de quarta-feira envia Israel para águas políticas nunca navegadas, desde logo porque Netanyahu, o primeiro-ministro interino, continua a enfrentar a possibilidade de ser alvo de uma série de acusações, que seriam feitas mesmo em cima do período eleitoral.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório