Meteorologia

  • 25 JUNHO 2019
Tempo
23º
MIN 21º MÁX 25º

Edição

"Sou um homem essencialmente de paz. Mas não pensem que sou ingénuo"

O Presidente da Venezuelana, Nicolás Maduro, disse hoje que foi "muito positiva" a primeira ronda de diálogo com a mediação da Noruega, mas advertiu a oposição que "não é ingénuo".

"Sou um homem essencialmente de paz. Mas não pensem que sou ingénuo"

"Tivemos uma primeira ronda com a mediação do Governo da Noruega (...) E tenho que dizer que foi muito positiva. Sou um homem que acredita na palavra como veículo de comunicação para superar as diferenças", disse o chefe de Estado venezuelano.

Nicolás Maduro dirigia-se a milhares de simpatizantes que se concentraram junto ao palácio presidencial de Miraflores para celebrar o primeiro aniversário de 20 de maio de 2018, dia em que foi reeleito para um novo mandato numas eleições presidenciais que a oposição questiona e que vários países não reconhecem.

"Eu sou um homem essencialmente de paz, porque o que eu conheço é a paz, a luta pela paz. Mas não pensem que sou ingénuo. Não se confundam", disse.

Apesar de acreditar "na paz e no diálogo", Nicolás Maduro frisou que está a preparar o povo para "defender a pátria, como for, onde for e quando for".

"E vou empenhar-me, com todo o meu esforço e dedicação, para que a Venezuela consiga, o mais rapidamente possível, um acordo de paz com a oposição venezuelana. Um acordo de concórdia e respeito", que leve os opositores a "regressarem ao caminho constitucional", vincou.

No entanto, advertiu que os venezuelanos devem estar alerta.

"Isso sim, olhos abertos, são muito malucos, demasiado maus, eu sei com quem estamos a falar (...) que se ofendam se quiserem. Falamos com o diabo, que Deus nos ampare e proteja, mas se com o próprio diabo há que falar, pela paz e a prosperidade da Venezuela, pois vamos falar com o próprio diabo", disse.

As declarações do Presidente Nicolás Maduro tiveram lugar horas depois de Carlos Vecchio, representante diplomático do líder opositor Juan Guaidó, ter tido um encontro nos EUA com o subsecretário norte-americano da Defesa, Sérgio de la Peña, e o enviado do Departamento de Estado dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams.

Durante a reunião debateram "todos os aspetos relacionados com a crise na Venezuela", explicou Carlos Vecchio durante uma conferência de imprensa em La Florida, EUA.

"Vamos embora positivos, acho que houve um ponto importante de avanço", disse.

O Presidente Nicolás Maduro recebeu, na noite de quinta-feira, os representantes do Grupo de Contacto Internacional (GCI) no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas.

A reunião resultou da presença em Caracas de uma missão política do GCI, na qual Portugal está representado pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó jurou assumir as funções de Presidente interino e prometeu formar um Governo de transição e organizar eleições livres.

Na madrugada de 30 de abril, um grupo de militares manifestou apoio a Juan Guaidó, que pediu à população para sair à rua e exigir uma mudança de regime, mas não houve desenvolvimentos na situação até ao momento.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, denunciou as iniciativas do presidente do Parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderado pelos Estados Unidos.

À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou mais de 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, de acordo com dados das Nações Unidas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório