Meteorologia

  • 19 JUNHO 2019
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 22º

Edição

Israel tem "todo o direito em se defender", diz Secretário de Estado

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse hoje que Israel tem "todo o direito em se defender" depois dos palestinianos terem intensificado os ataques com 'rockets' contra cidades do sul do país.

Israel tem "todo o direito em se defender", diz Secretário de Estado
Notícias ao Minuto

16:45 - 05/05/19 por Lusa

Mundo EUA

Em declarações no programa de televisão "Fox News Sunday", do canal norte-americano Fox, Mike Pompeo classificou "muito séria" esta nova escalada de violência, em que morreram, até agora, três civis israelitas e nove palestinianos, entre os quais um bebé de 14 meses.

"O surto foi uma das mais sangrentas batalhas desde a guerra de 2014. Rockets palestinianos mataram pelo menos três israelitas e feriram mais de cem pessoas. Ataques aéreos retaliatórios israelitas mataram pelo menos nove palestinianos e feriram mais de 110", disse o secretário de Estado norte-americano, esperando que se possa "regressar ao cessar-fogo que esteve em vigor durante semanas".

Desde sábado que os palestinianos lançaram cerca de 600 'rockets' contra Israel, que respondeu com bombardeamentos sobre objetivos militares da Faixa de Gaza.

A aviação israelita continuou a atacar diversos objetivos do Hamas, que controla o enclave, e da organização islamita Jihad Islâmica, aos quais responsabiliza pela escalada de violência.

O enviado da ONU para Médio Oriente pediu hoje, na rede social Twitter, o fim da violência em Israel e na Faixa da Gaza.

"Vidas palestinianas e israelitas foram perdidas, pessoas feridas, casas danificadas e destruídas", escreveu Nickolay Mladenov, pedindo para que se regresse "aos entendimentos dos últimos meses antes que seja tarde demais".

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, anunciou hoje que deu instruções ao exército israelita para continuar com os "ataques massivos" contra alvos do Hamas e da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza.

"Dei instruções ao exército para continuar os ataques massivos contra os elementos terroristas da Faixa de Gaza, e ordenei para que as forças estacionadas em redor da Faixa de Gaza fossem reforçadas com tanques, artilharia e tropas", disse Netanyahu ao conselho de ministros, de acordo com seus serviços.

Esta escalada de violência segue-se às manifestações de sexta-feira, as mais violentas das últimas semanas, desde se iniciaram em março do ano passado, para reivindicar o regresso dos refugiados e o fim do bloqueio.

As Nações Unidas e o Egito estão a mediar desde a última noite as partes para conter a escalada de violência e retomar o acordo de "calma por calma", que inclui um alívio do bloqueio em Gaza e o fim da instabilidade na fronteira pela parte das milícias.

Israel, que como a União Europeia ou os Estados Unidos, considera o Hamas uma organização terrorista, mantém o enclave sob bloqueio desde que os islamitas assumiram o poder em 2007 e responsabiliza-os pela violência procedente da Faixa de Gaza.

As Nações Unidos, o Egito e o Qatar têm trabalhado nos últimos meses para um acordo de cessar-fogo entre Israel e o Hamas, grupo islâmico que governa a Faixa de Gaza.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório