Meteorologia

  • 26 MAIO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 24º

Edição

Subiu para mais de 150 o número de mortos no Sri Lanka após explosões

O número de vítimas mortais resultante das explosões em três igrejas e em três hotéis voltou a subir. São já mais de 150 mortos e mais de 400 feridos. Há um português entre as vítimas mortais, confirmou ao Notícias ao Minuto a cônsul de Portugal em Colombo.

Subiu para mais de 150 o número de mortos no Sri Lanka após explosões
Notícias ao Minuto

07:46 - 21/04/19 por Melissa Lopes 

Mundo Atentado

Está a ser um Domingo de Páscoa sangrento no Sri Lanka. As explosões em três igrejas e três hotéis de luxo provocaram a morte, de acordo com o último balanço, a 156 pessoas, entre os quais 35 estrangeiros, sendo um português, anunciou fonte policial. No entanto, é expectável que o número de vítimas mortais volte a subir, dado elevado número de feridos. 

Entre as vítimas mortais, há um cidadão português que se encontrava no hotel Kingsbury, um dos atingidos pelas explosões, uma informação avançada pela TSF e confirmada pelo Notícias ao Minuto junto da cônsul de Portugal em Colombo. 

Só numa das igrejas atingidas, a igreja de St. Sebastian, em Katuwapitiya, mais de 50 pessoas foram mortas. 

As explosões ocorreram "quase em simultâneo", pelas 08h45 (03h15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.

A capital, Colombo, foi alvo de pelo menos quatro explosões, em três hotéis de luxo e numa igreja. Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra ao leste do país em Batticaloa. Entretanto, há notícia de uma sétima explosão num pequeno hotel, a 20 minutos de Colombo. Aqui terão morrido duas pessoas. 

O ataque, que parece ter sido coordenado, ainda não foi reivindicado, mas um responsável de segurança do país referiu que se suspeita terem sido levados a cabo por bombistas suicidas.

Entretanto, começam a surgir imagens do interior de uma das igrejas atingidas. 

Notícias ao MinutoDestruição no interior da igreja St. Sebastian © Reprodução/Sky Nwes

"Por favor, permaneçam calmos e dentro de vossas casas. Há muitas vítimas, incluindo estrangeiros", escreveu no Twitter o ministro para as Reformas Económicas e Distribuição Pública do país, Harsha de Silva.

O primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, condenou os ataques "cobardes" sobre o seu povo. "Peço a que todos permaneçam unidos", frisou, garantindo que o governo está  a tomar medidas para conter esta situação. 

Também o Presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, apelou à calma depois das explosões sentidas em três hotéis de luxo e três igrejas, onde muitos fiéis celebravam o Domingo de Páscoa. 

"Por favor, permaneçam calmos e não sejais enganados por rumores", pediu Sirisena numa mensagem à nação, num país onde os confrontos têm sido frequentes no passado em reação a eventos violentos.

O presidente mostrava-se "em choque" e triste com o sucedido, esclarecendo que "investigações estão em andamento para descobrir que tipo de conspiração está por detrás destes atos cruéis".

Ataques contra minorias religiosas na ilha têm sido habituais no passado, o último em 2018, quando o Governo teve de declarar estado de emergência após confrontos entre muçulmanos e budistas cingaleses com dois mortos e dezenas de detidos.

No Sri Lanka a população cristã representa 7%, enquanto os budistas rondam 67%, os hindus são 15% e os muçulmanos 11%.

Atentados desta magnitude não tinham tido lugar no Sri Lanka desde a guerra civil entre a guerrilha tâmil e o Governo, um conflito que durou 26 anos e terminou em 2009, e que deixou, de acordo com dados da ONU mais de 40.000 civis mortos.

[Notícia em atualização]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório