Meteorologia

  • 20 ABRIL 2019
Tempo
24º
MIN 22º MÁX 26º

Edição

Bolsonaro disse que Holocausto pode ser "perdoado". Museu discorda

O Museu do Holocausto sublinhou que "não é direito de ninguém determinar se crimes do Holocausto podem ser perdoados".

Bolsonaro disse que Holocausto pode ser "perdoado". Museu discorda
Notícias ao Minuto

23:27 - 13/04/19 por Fábio Nunes 

Mundo Polémica

Nesta quinta-feira, Jair Bolsonaro voltou a fazer uma afirmação polémica. O presidente brasileiro recordou a visita a Israel e a sua passagem pelo Museu do Holocausto durante um encontro com evangélicos no Rio de Janeiro. “Fui, mais uma vez, ao Museu do Holocausto. Nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer”, realçou.

No entanto, a frase não caiu bem e já gerou algumas reações, conta o Folha de São Paulo. O Museu do Holocausto Yad Vashem divulgou um comunicado este sábado no qual salienta que “não é direito de ninguém determinar se os crimes hediondos do Holocausto podem ser perdoados”.

O museu dedicado a homenagear as vítimas e os que combateram o genocídio destacou que “tem trabalhado para manter a lembrança do Holocausto viva e relevante para o povo judeu e toda a humanidade”.

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, também respondeu no Twitter. “Vamos sempre opor-nos aos que negam a verdade ou que desejam expurgar a nossa memória – nem indivíduos ou grupos, nem líderes de partidos ou primeiros-ministros. Nós nunca vamos perdoar ou esquecer”.

Quando visitou o Museu do Holocausto, Jair Bolsonaro chegou a dizer que o “nazismo foi um movimento de esquerda”, contrariando o que o próprio Yad Vashem defende.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório