Meteorologia

  • 21 JUNHO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Quatro crianças resgatadas após denúncia. Viviam no lixo, mal sabem falar

Os quatro menores viviam com a mãe e com a avó, em Moscovo, mas em condições degradantes. Agora estão com uma família de acolhimento.

As autoridades russas resgataram quatro crianças menores a viver em condições degradantes, num apartamento na cidade de Mytishchi, em Moscovo.

Os três meninos e uma menina, todos com menos de nove anos, viviam, de acordo com o Daily Mail, que cita as autoridades russas, em “condições socialmente perigosas”. As crianças viviam num apartamento cheio de lixo e sujidade e sobrevivam com restos de comida encontrados em caixotes do lixo.

Nenhum dos rapazes, que se crê terem 6, 4 e 2 anos de idade, foram registados à nascença e nenhum foi à escola ou alguma vez foi visto por um médico. Só a menina, Sofia, de 8 anos, tem certidão de nascimento (e nome).

“A menina, de oito anos, não só não sabe o alfabeto como não consegue dizer as cores. Parece ter parado de se desenvolver por volta dos quatro anos de idade”, afirmou um agente de autoridade envolvido no caso, que acrescentou que todos têm problemas na fala, não conseguem usar um garfo ou uma colher e não têm quaisquer conhecimentos de hábitos de higiene.

Os menores viviam com a mãe, Inessa Kuznetsova, de 32 anos, e a avó, Galina Kuznetsova, de 66. A mãe nega a acusação de negligência, mas enfrenta agora uma pena que pode ascender aos três anos de prisão.

Foram os vizinhos que alertaram as autoridades, por desconfiarem das condições em que as crianças eram mantidas e por verem a avó a recolher, várias vezes, restos de comida de caixotes do lixo.

As autoridades levaram-nos para orfanatos mas estão agora todos juntos com uma família de acolhimento, de acordo com a mesma publicação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório