Meteorologia

  • 19 MAIO 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Wikileaks responsabiliza Lénin Moreno pela prisão de Julian Assange

O presidente do Equador, Lenín Moreno, disse hoje que o governo de Quito decidiu "de maneira soberana" retirar o estatuto de asilo a Julian Assange, o que já provocou o protesto da organização Wikileaks.

Wikileaks responsabiliza Lénin Moreno pela prisão de Julian Assange
Notícias ao Minuto

12:02 - 11/04/19 por Lusa

Mundo Londres

Através da rede social Twitter, o Wikileaks acusa o embaixador do Equador de "ter convidado" a polícia britânica a prender Assange no interior do edifício da embaixada, em Londres, e referiu-se ao chefe de Estado do Equador que deixou de proteger o fundador da organização.

"O Equador decidiu de maneira soberana retirar o asilo diplomático a Julian Assange por ter violado em várias ocasiões as convenções internacionais e o protocolo de coabitação", justificou por seu turno o Presidente do Equador, Lenin Moreno.

Entretanto, o ex-presidente do Equador, Rafael Correa, exilado na Bélgica desde 2017, acusou hoje o atual chefe de Estado de responsabilidade na prisão do fundador do Wikileaks considerando-o chefe "o maior traidor da história latino-americana".

"Ele (Lenin Moreno) pôs a vida de Assange em perigo e humilhou o Equador", afirmou Rafael Correa através da rede social Twitter.

Em comunicado, a polícia indicou que executou um mandado de detenção emitido em 2012 após o Equador ter retirado o direito de asilo ao australiano de 47 anos.

Assange refugiou-se na embaixada equatoriana na capital britânica em 2012 para evitar a extradição para a Suécia, que solicitou que o fundador do Wikileaks se entregasse por supostos crimes sexuais, um processo que, entretanto, prescreveu.

Assange recusou entregar-se às autoridades britânicas por receio de ser extraditado para os Estados Unidos (EUA), onde poderia enfrentar acusações de espionagem puníveis com prisão perpétua.

Em 2010, o WikiLeaks divulgou mais de 90.000 documentos confidenciais relacionados com ações militares dos EUA no Afeganistão e cerca de 400.000 documentos secretos sobre a guerra no Iraque.

Naquele mesmo ano foram tornados públicos cerca de 250.000 telegramas diplomáticos do Departamento de Estado dos Estados Unidos, que embaraçou Washington.

Na quarta-feira, o portal Wikileaks afirmava que Assange foi vítima de uma sofisticada operação de espionagem, por parte da embaixada do Equador, em Londres, durante o último ano.

As reuniões entre advogados e um médico na embaixada foram filmadas "em segredo" no último ano, disse a Wikileaks.

A organização que desde a semana passada alertava sobre a detenção de Assange disse ainda que um "indivíduo suspeito", não identificado, ofereceu em Espanha o material que tinha sido gravado na embaixada a troco de três milhões de euros.

O diretor do Wikileaks afirmava na quarta-feira que se deslocou a Espanha para se encontrar com o "indivíduo que lhe mostrou registos gravados em vídeo" das reuniões que manteve com Assange em 2018 e a cópia de um documento que deixou ficar numa sala do edifício da embaixada.

De acordo com o mesmo responsável, que não especificou o conteúdo do documento, a polícia espanhola foi informada sobre a venda dos vídeos sendo que "pelo menos" um juiz espanhol foi informado da situação.

Igualmente, na quarta-feira a advogada do Wikileaks, Jennifer Robinson indicava que ia enviar uma queixa às Nações Unidas sobre as supostas atividades de espionagem contra Assange.

A advogada expressava "preocupação" sobre a alegada cooperação entre o governo do Equador e os Estados Unidos.

Por outro lado, Hrafnsson sublinhava que Assange tinha restringidas todas as comunicações e visitas desde que Lénin Moreno assumiu a presidência do Equador, no ano passado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório