Meteorologia

  • 21 ABRIL 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Presença de "militares russos na Venezuela viola a Constituição"

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, disse hoje que a presença de quase uma centena de militares russos no país "viola a Constituição".

Presença de "militares russos na Venezuela viola a Constituição"
Notícias ao Minuto

19:40 - 26/03/19 por Lusa

Mundo Juan Guaidó

"Parece que (no Governo, do Presidente Nicolás Maduro), não confiam nos seus militares, porque estão a importá-los, violando a Constituição novamente", disse.

Juan Guaidó falava em Caracas, durante uma sessão parlamentar convocada para analisar a chegada, no fim de semana, de dois aviões russos à Venezuela e um grupo de 99 militares da Rússia, e o pagão que desde segunda-feira afeta o país.

"Esses aviões não trouxeram geradores, nem técnicos para intervir (na barragem de) El Guri, nem geradores para substituir os danificados, trouxeram militares estrangeiros para solo venezuelano, esquecendo a crise que temos na Venezuela", disse.

Guaidó frisou que o Governo venezuelano "não tem como solucionar" a crise elétrica "que criou" no país, e que inventa motivos, recomendando à população que compre velas e lanternas, perante uma falha técnica provocada pelo "mau funcionamento e a corrupção" no sistema elétrico venezuelano.

Segundo Juan Guaidó a presença de militares russos no país deveria ser autorizada pelo parlamento venezuelano, o único poder público controlado pela oposição no país.

Entretanto, através de um comunicado a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiro de Rússia, Maria Zajarova, explicou que o envio de tropas militares russas para Caracas faz parte de um acordo de cooperação técnico-militar assinado entre a Venezuela e a Rússia em 2011, o que dispensa "aprovação adicional".

"A presença de especialistas russos em território da Venezuela está regulada pelo Acordo de Cooperação Técnico-Militar assinado em maio de 2011, pelo Governos da Rússia e da Venezuela, e que foi ratificado, em seu momento, por ambos países", explica o documento divulgado pela imprensa venezuelana e agências de notícias internacionais.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório