Meteorologia

  • 22 ABRIL 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Fukushima: Governo diz que não há perigo, ONG garantem que sim

Oito anos após o acidente nuclear em Fukushima, o Governo japonês garante que os habitantes podem voltar a viver na zona sem correr riscos, mas várias organizações não-governamentais (ONG) denunciam que ainda há perigo para a população.

Fukushima: Governo diz que não há perigo, ONG garantem que sim
Notícias ao Minuto

12:20 - 11/03/19 por Lusa

Mundo Radioatividade

"A autarquia de Fukushima é apenas uma das 47 autarquias do Japão e apenas 2,7% desta região ainda está sob ordem de evacuação", disse o ministro da Reconstrução, Hiromichi Watanabe, aos jornalistas antes da cerimónia que assinalou o trágico tsunami de 11 de março de 2011, que esteve na origem do desastre de Fukushima.

Devido aos esforços de descontaminação e reconstrução, em 97,3% da autarquia "é possível levar uma vida normal", acrescenta o ministro.

Para as ONG Greenpeace e Human Rights Now (HRW) essa informação do Governo japonês é falsa, de acordo com vários relatórios da ONU.

O Greenpeace referiu que os habitantes que retornam tendem a limitar as suas vidas para minimizar os riscos, o que não é exatamente "viver uma vida normal".

"(Os habitantes) podem mudar o seu comportamento, por exemplo, evitando ficar muito tempo no exterior", observou a organização num relatório.

A ONG acredita que, em alguns lugares nas comunidades onde a ordem de evacuação foi suspensa, "a exposição à radiação ao longo da vida pode muito bem exceder o nível aceitável de saúde pública".

Vários relatores e órgãos da ONU têm repetidamente criticado a decisão do Governo japonês de elevar a 20 millisievert/ano a exposição aceitável e torná-lo o nível de referência para o levantamento de ordens de evacuação, enquanto que normalmente seria de 1 millisievert/ano.

Para as ONG, essa generosidade com as cifras combinada com a cessação gradual dos subsídios para os deslocados colocam os antigos habitantes num beco sem saída, uma vez que, por razões financeiras, sentem-se compelidos a retornar.

A situação das crianças é considerada de grande preocupação pelas ONG e pelas Nações Unidas.

Em outubro, num comunicado, um especialista em direitos humanos da ONU pediu que o Governo "parasse de trazer as crianças e mulheres em idade reprodutiva para áreas onde os níveis de radioatividade permanecem mais altos do que os considerados seguros antes do desastre".

Em particular, o Governo japonês respondeu que essas observações são prejudiciais à imagem da região.

Na segunda-feira, um relatório do Instituto de Proteção contra Radiação e Segurança Nuclear de França (IRSN, sigla em francês) lamentou que "a questão das consequências da radiação sobre a saúde tenha se tornado tabu porque arrisca a dividir a população" entre aqueles que confiam nas autoridades e os outros.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório