Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2019
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 13º

Edição

Holanda vai disponibilizar centro de ajuda humanitária para a Venezuela

A Holanda vai disponibilizar um centro de ajuda humanitária para a Venezuela na ilha de Curaçau, anunciou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros do país.

Holanda vai disponibilizar centro de ajuda humanitária para a Venezuela
Notícias ao Minuto

23:41 - 13/02/19 por Lusa

Mundo Curaçau

"O povo venezuelano precisa de ajuda humanitária e, portanto, a Holanda e Curaçau decidiram fornecer um centro de ajuda humanitária em Curaçau", afirmou Stef Blok, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

O ministro dos Negócios Estrangeiros holandês acrescentou que o centro será estabelecido em "estreita cooperação com o presidente interino venezuelano Guaidó e os Estados Unidos".

Curaçau, território holandês, é uma ilha no mar das Caraíbas, a cerca de 65 quilómetros a norte da costa venezuelana.

O Governo venezuelano tem insistido em negar a existência de uma crise humana no país e tem dito que não permitirá a entrada de ajuda na Venezuela.

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou que em 23 de fevereiro entrará a ajuda humanitária no país, referindo que existem "250 a 300 mil venezuelanos em risco de morrer"

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

A repressão dos protestos antigovernamentais desde 23 de janeiro provocou já 40 mortos, de acordo com várias organizações não-governamentais.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório