Meteorologia

  • 16 JANEIRO 2019
Tempo
11º
MIN 11º MÁX 12º

Edição

Treze países americanos condenam detenção de Juan Guaidó

Os governos de 13 países americanos, entre os quais o do Brasil, condenaram hoje a detenção do presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, rejeitando qualquer ato que afete a integridade física dos membros do parlamento.

Treze países americanos condenam detenção de Juan Guaidó
Notícias ao Minuto

22:50 - 13/01/19 por Lusa

Mundo Venezuela

O Grupo de Lima, como ficou conhecido após a sua formação na capital do Perú, em 2008, é atualmente constituído pelos governos da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia.

Em comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil, os 13 países condenam a "detenção arbitrária" de Juan Guaidó, efetuada pelos serviços secretos de informação da Venezuela. O deputado foi detido durante cerca de uma hora, tendo posteriormente sido libertado.

"[Os Governos] Expressam a sua mais forte rejeição a qualquer ação que afete a integridade física dos membros da Assembleia Nacional da Venezuela, as suas famílias e colaboradores, e a qualquer pressão ou coerção que impeçam o exercício pleno e normal das suas competências como órgão constitucional e legitimamente eleito na Venezuela", lê-se no comunicado.

O presidente da Assembleia Nacional esteve hoje cerca de uma hora detido pelos serviços secretos de informações, quando estava a caminho de uma reunião fora de Caracas, anunciou a sua mulher.

"Agradeço todas as reações imediatas de apoio face a esta violação cometida pela ditadura dos direitos do meu marido. Já estou com ele e vamos à reunião pública", escreveu Fabiana Rosales na sua conta no Twitter.

Guaidó era aguardado numa reunião a cerca de 40 quilómetros da capital venezuelana.

Entretanto, o ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez, anunciou a destituição dos agentes dos serviços secretos que detiveram o presidente do parlamento.

"Queremos informar todo o povo da Venezuela que estes funcionários estão neste momento sendo destituídos e submetidos a um procedimento disciplinar mais estrito", disse o ministro venezuelano de Comunicação e Informação, que considerou a prisão do político um "procedimento irregular".

Em declarações aos jornalistas, Jorge Rodríguez explicou que estes "funcionários atuaram de maneira irregular", considero que se sujeitaram a "um show", utilizado pela oposição para atacar o governo de Nicolás Maduro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório