Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2018
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 12º

Edição

Paquistão nega acusações de Trump de esconder Bin Laden no seu território

O primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, negou hoje as acusações de Donald Trump de que o Paquistão ajudou a esconder Osama Bin Laden, ex-líder da organização terrorista Al-Qaeda, morto numa operação militar norte-americana em 2011 no país asiático.

Paquistão nega acusações de Trump de esconder Bin Laden no seu território
Notícias ao Minuto

15:10 - 19/11/18 por Lusa

Mundo Al-Qaeda

"Em vez de fazer do Paquistão o bode expiatório pelos seus fracassos, os Estados Unidos deveriam questionar-se sobre o porquê de, apesar de 140 mil soldados da NATO, mais 250 mil afegãos e mais de um bilião de dólares na guerra no Afeganistão, os talibãs estão hoje mais fortes que antes", afirmou Imran Khan na sua conta na rede social Twitter.

Imran Khan também disse, numa série de 'tweets', que nenhum paquistanês foi implicado nos atentados do 11 de setembro e que, pelo contrário, o Paquistão uniu-se à guerra norte-americana contra o terrorismo, na qual morreram 75.000 paquistaneses e custou 123 mil milhões de dólares para o país.

"A ajuda dos Estados Unidos foram uns minúsculos 20 mil milhões de dólares", denunciou, acrescentando ainda que o Paquistão continua a proporcionar linhas aéreas e terrestres aos Estados Unidos e à NATO para aceder ao Afeganistão.

"Pode o senhor Trump mencionar outro aliado que tenha feito estes sacrifícios?", questionou.

No domingo, Trump acusou o Governo paquistanês de ter ajudado a esconder, no seu território, o fundador e líder da rede terrorista Al-Qaeda, Osama Bin Laden, apesar de os Estados Unidos terem entregue ao país 1.300 milhões de dólares por ano para lutar contra o terrorismo.

"Toda a gente no Paquistão sabia que [Bin Laden] estava lá", a viver "numa bonita mansão" criticou Trump, em entrevista ao canal de televisão Fox News.

"[Bin Laden] vivia no Paquistão. Estávamos a apoiar o Paquistão, dávamos 1,3 milhões [de dólares] ao ano, que deixámos de dar. Claro que acabei [com a ajuda], porque não faziam nada por nós", justificou.

Washington anunciou, em janeiro, a suspensão da maior parte da ajuda para o setor da segurança que os Estados Unidos concediam ao Paquistão, até que Islamabad "tome medidas decisivas" contra grupos terroristas, como os talibãs, que "desestabilizam a região e ameaçam funcionários dos Estados Unidos".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório