Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Após morte de Khashoggi, Alemanha trava venda de armas à Arábia Saudita

O Ministério da Economia alemão anunciou hoje a paralisação de todas as vendas de armas e equipamentos de defesa à Arábia Saudita, incluindo as já aprovadas por Berlim, em resposta ao assassínio do jornalista Jamal Khashoggi.

Após morte de Khashoggi, Alemanha trava venda de armas à Arábia Saudita
Notícias ao Minuto

13:48 - 19/11/18 por Lusa

Mundo Diplomacia

Há um mês, a Alemanha tinha anunciado que não aprovaria novas exportações de armas para a Arábia Saudita, adiantando que seria feita uma reavaliação dos contratos já aprovados.

O porta-voz do Ministério da Economia, Philipp Jornitz, disse que "o Governo alemão está a trabalhar com as empresas que têm autorizações válidas para que não haja atualmente exportações [de armamento] da Alemanha para a Arábia saudita".

Acrescentou que foram usados "vários instrumentos" para bloquear as exportações, mas alegou motivos legais para não explicar em que consistiam.

O anúncio do Ministério da Economia surge pouco depois de o chefe da diplomacia alemã, Heiko Maas, ter dito em Bruxelas, que a Alemanha irá proibir a entrada no espaço Schengen a 18 sauditas suspeitos de envolvimento na morte do jornalista.

Heiko, que falava aos jornalistas em Bruxelas, explicou que a decisão foi tomada em coordenação com a França, que integra o espaço de livre circulação europeu, e com o Reino Unido, que não pertence a Schengen.

Segundo Maas, os 18 visados estão "alegadamente ligados ao crime", mas não deu mais informações.

A Alemanha vai agora introduzir a identidade dos 18 visados no sistema de informação Schengen (comum a 26 países europeus) para lhes interditar o acesso, precisou o ministro alemão.

A entrada no espaço comum de livre circulação europeu só será possível se cada Estado emitir um visto nacional, segundo diplomatas citados pela agência de notícias France-Presse.

As medidas de Berlim seguem-se a sanções económicas anunciadas, na quinta-feira, pelos Estados Unidos para 17 responsáveis sauditas, incluindo elementos próximos do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

As sanções económicas juntaram-se à proibição de viajar para os Estados Unidos já em vigor para os mesmo 17 suspeitos sauditas.

As sanções dos Estados Unidos foram anunciadas no mesmo dia em que o Ministério Público (MP) da Arábia Saudita pediu penas de morte para cinco dos acusados de envolvimento da morte do jornalista, admitindo que Jamal Khashoggi foi morto e desmembrado no consulado do país em Istambul.

O MP ilibou o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, sobre quem recaíam suspeitas de ter ordenado o assassínio de Khashoggi.

Jamal Khashoggi, jornalista saudita crítico do regime, foi morto em 2 de outubro no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

A Arábia Saudita começou por assegurar que o jornalista tinha saído do consulado vivo, mas depois mudou de versão e admitiu que foi morto na representação diplomática numa luta que correu mal.

Segundo a investigação turca, Khashoggi foi morto por um esquadrão de agentes sauditas que viajaram para Istambul com esse fim.

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse por várias vezes que a ordem para matar Khashoggi "foi dada ao mais alto nível do estado" saudita.

As autoridades sauditas detiveram 21 suspeitos de ligações à morte do jornalista e adiantam que 11 foram já acusados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório