Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2018
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 13º

Edição

Ministros eurocéticos dão apoio à primeira-ministra e rejeitam demissão

Dois ministros importantes do governo britânico, Michael Gove e Liam Fox, manifestaram hoje publicamente o apoio à primeira-ministra, Theresa May, e rejeitaram demitir-se, apesar de serem a favor do Brexit.

Ministros eurocéticos dão apoio à primeira-ministra e rejeitam demissão
Notícias ao Minuto

15:00 - 16/11/18 por Lusa

Mundo Brexit

absolutamente vital que nos concentremos em conseguir o acordo certo no futuro e garantir que nas áreas que importam tanto para o povo britânico, possamos obter um bom resultado", disse o ministro do Ambiente, Michael Gove, pondo fim à especulação sobre a possibilidade de demitir-se.

Porém, Gove, que falava em Londres, não comentou os rumores de que teria rejeitado a oferta para chefiar o ministério para a Saída da União Europeia, sucedendo a Dominic Raab, que se demitiu na quarta-feira em desacordo com o rascunho de acordo.

Também Liam Fox, ministro do Comércio Internacional, confirmou que continua a apoiar a chefe do governo e o texto negociado com Bruxelas.

"Nós não somos eleitos para fazer o que queremos, mas para agir no interesse nacional. Em última análise, espero que, em todo o Parlamento, se reconheça que um acordo é melhor do que nenhum acordo", afirmou, durante um evento em Bristol.

O governo aprovou na quarta-feira de forma "coletiva", mas sem unanimidade, o rascunho de acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, após um conselho de ministros que se prolongou por cinco horas.

Além de uma solução para garantir que não é imposta uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, garante os direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido e britânicos na Europa, a compensação financeira e um período de transição até ao final de 2020.

Dois ministros, Dominic Raab e Esther McVey, e vários outros membros, de segunda linha, do governo demitiram-se em desagrado com o texto, mas Theresa May prometeu manter-se em funções e continuar a conduzir processo do 'Brexit'.

Entretanto, 21 deputados conservadores divulgaram ter subscrito uma moção de censura interna à líder do partido Conservador, Theresa May, aumentando a expectativa do que possa acontecer nos próximos dias.

São necessárias 48 cartas de apoio à moção de censura para ser organizado um voto interno no grupo parlamentar, que precisa que uma maioria de 159 dos 315 deputados declare ter perdido a confiança em May para forçar a saída da primeira-ministra.

Uma derrota de May determinaria uma eleição para a liderança do partido, mas as regras do partido determinam que uma vitória na moção de censura garante que a líder não pode ser alvo de novo confronto nos 12 meses seguintes.

O ministro do Cabinet Office [equivalente ao ministro da Presidência do Conselho de Ministros], considerado o número dois do governo, desaconselhou os deputados a desafiar a ministra, confiante de que ela vai ganhar o sufrágio confortavelmente.

"Eu não vi nenhum plano alternativo plausível de qualquer um daqueles que criticaram ou que querem desafiar a posição dela", disse, numa entrevista à rádio escocesa Bauer.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório