Meteorologia

  • 18 DEZEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 16º

Edição

Arábia Saudita executa mulher porque matou patrão que a violou

Tuti Tursilawati terá cometido o crime em autodefesa mas Riade avançou com pena de morte, e sem notificar autoridades indonésias. Casos semelhantes criam tensão entre os dois países.

Arábia Saudita executa mulher porque matou patrão que a violou
Notícias ao Minuto

23:16 - 31/10/18 por Notícias Ao Minuto 

Mundo Direitos Humanos

A Arábia Saudita executou uma empregada doméstica de nacionalidade indonésia como punição por ter matado o seu patrão enquanto estava a ser vítima de violação.

Tuti Tursilawati, que trabalhava na cidade saudita de Ta'if, foi considerada culpada da morte do seu empregador, em junho de 2011, e foi executada esta passada segunda-feira, dia 29 de outubro, de acordo com o Daily Mail.

A decisão de levar a cabo a execução de um trabalhador migrante indonésio sem notificar as autoridades de Jacarta – a quarta vez que acontece em três anos na Arábia Saudita – criou celeuma. O presidente da Indonésia, Joko Widodo, ligou para o ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, a pedir justificações.

A associação ativista Migrant Care havia defendido em setembro que a empregada doméstica, mãe de uma criança, tinha cometido o crime em autodefesa, pois estava a ser violada.

Ver esta publicação no Instagram

Kabar duka kembali datang dari Arab Saudi. Tuty Tursilawati, pekerja migran Indonesia asal Majalengka, dieksekusi mati di Arab Saudi pada 29 Oktober 2018 kemarin. . Eksekusi hukuman mati ini lagi-lagi dilakukan tanpa ada notifikasi kepada Pemerintah Indonesia. _________ #migrantcare #RIPTuty #stophukumanmati

Uma publicação partilhada por Migrant CARE (@migrantcare) a 29 de Out, 2018 às 11:01 PDT

A morte da trabalhadora aconteceu uma semana depois de Adel al-Jubeir se ter reunido com o seu homólogo indonésio, Retno Marsudi, em Jacarta, para discutir os direitos dos trabalhadores migrantes. Um dos pontos discutidos nessa reunião foi a obrigatoriedade de existir uma notificação consular antes de serem levadas a cabo penas de morte.

“O reinado da Arábia Saudita tem ignorado os princípios dos direitos humanos, incluindo o direito que todos têm à vida”, afirmou um membro do parlamento da Indonésia.

A Arábia Saudita, sublinhe-se, é um dos principais destinos de trabalhadores indonésios, principalmente empregadas domésticas. Neste momento, sublinha a mesma publicação, existem 18 trabalhadores indonésios a quem foram atribuídas penas de morte naquele país.

Recorde-se que Riade está nesta altura no foco das atenções mundiais por causa do caso Jamal Khashoggi. O jornalista entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, no dia 2 de outubro, para obter um documento para se casar com uma cidadã turca e nunca mais foi visto. No mesmo dia em que desapareceu, entraram em Istambul, em dois aviões, 15 homens identificados como membros da Guarda Real saudita.

Suspeita-se que estes terão estado envolvidos na morte de Khashoggi, que era uma das vozes mais críticas do poder em Riade, nomeadamente do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. O jornalista colaborava com o jornal The Washington Post e residia nos Estados Unidos desde 2017.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório