Meteorologia

  • 25 JUNHO 2019
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 19º

Edição

Dividido entre esperança e medo, Brasil espera mudanças após eleições

Divido entre apoiantes identificados com o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro ou com o candidato Fernando Haddad, que representa as forças da esquerda progressista, o Brasil escolhe neste domingo um novo Presidente.

Dividido entre esperança e medo, Brasil espera mudanças após eleições
Notícias ao Minuto

12:21 - 28/10/18 por Lusa

Mundo Brasil

A reportagem da Lusa esteve na Avenida Paulista, região que já foi o centro financeiro do país e hoje transformou-se numa área nobre de cultura e lazer, e constatou que, embora haja medo e uma certa hesitação, a população brasileira tem esperança de que aconteçam mudanças positivas ao final deste conturbado processo eleitoral.

Caminhando com a mãe em direção a um centro desportivo, Mateus Felipe da Silva Santos, de 24 anos, tem a expectativa de que o povo brasileiro se volte a unir.

"Independente de quem suba para assumir a Presidência do nosso país, espero que o povo se una. Que não fique esta guerra com as pessoas brigando umas com as outras. As pessoas têm que olhar para a frente e, independente de quem assumir a presidência, temos que cobrar", disse.

Questionado sobre a possibilidade de incidentes violentos ou confrontos no dia da votação, Mateus disse acreditar que embora as pessoas estejam com os ânimos exaltados, a votação será tranquila.

Augusto Viana Zacarias, de 36 anos, também aproveitou o início da manhã de domingo para fazer exercícios físicos e contou que tem fé em que o Brasil mudará e as coisas devem melhorar.

"A gente tem fé em que vai ter mudança e melhora das cosias. Os tempos não estão bons. Planejamos esta mudança, mas não sei se isto será tão positivo. Será uma mudança radical", afirmou.

Sobre o novo governo, que começará a ser desenhado na segunda-feira com o resultados eleitorais, Augusto avaliou que a imagem do Brasil perante os investidores estrangeiros deve melhorar com o novo Governo.

"Eu acredito que, internacionalmente, vamos começar a ter uma visão mais positiva do Brasil e isto é que traz o crescimento. O investimento externo. Os grandes investidores estão fugindo porque não tem muita confiança no Brasil (...) Tenho fé que a partir de amanhã vamos ter mudança e que esta mudança é positiva", explicou.

Já Roselaine de Olivera, que passava pela Avenida Paulista antes do trabalho, disse ter esperança no futuro, embora tenha manifestado um certo medo dada a bipolarização política do Brasil.

"A expectativa é de que [venham] dias melhores [após as eleições]. Do jeito que está, não dá para continuar. Não só eu como qualquer brasileiro espera que o país melhore. A expectativa é uma, mas o que sentimos é outra coisas (...) São duas oposições e pelo menos na minha visão a população está com medo do que pode acontecer. Acredito que o país vai melhorar, mas tenho um pouco de medo também", afirmou.

Odair Barbosa Araújo, de 20 anos, outro trabalhador abordado pela reportagem antes do início da votação, foi enfático ao dizer que, independentemente de quem saia vencedor após a abertura das assembleias de voto, o novo Presidente do Brasil deve respeitar a democracia.

"Eu só espero que amanhã o novo Presidente tenha uma postura democrática e que os brasileiros respeitem a posição dos outros porque está havendo muito desrespeito no país ultimamente", concluiu.

Hoje, 147 milhões de brasileiros votam para escolher um novo Presidente, que governará o país entre os anos de 2019 e 2022. Em quatorze estados do país também haverá a escolha de governadores regionais.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório